Em compasso de espera

O resultado do setor público consolidado, divulgado pelo Banco Central (BC), apontou déficit primário de R$ 2,3 bilhões em fevereiro. O resultado ficou negativo devido ao mau desempenho do Governo Central, que registrou déficit de R$6,7 bilhões, e também devido às empresas estatais, que apresentaram resultado negativo em R$ 828 milhões. Contribuíram para amenizar as perdas o resultado dos governos subnacionais, isto é, estados e municípios, que foram superavitários em R$ 5,2 bilhões no mês. No acumulado em doze meses, registrou-se déficit primário de R$35,8 bilhões (0,69% do PIB), resultado comparativamente pior ao registrado em janeiro, de 0,61% do PIB. O resultado é considerado ruim, pois ainda está bastante aquém da meta estabelecida pelo Ministério da Fazenda, um superávit de 1,2% do PIB, valor equivalente a
R$ 66,3 bilhões de reais.

A piora no resultado veio dos dois lados, com receitas mais fracas e aumento das despesas. As medidas anunciadas pelo governo federal aparentemente ainda não afetaram significativamente os resultados fiscais nesse primeiro bimestre do ano. O ajuste fiscal torna-se cada vez mais urgente, e as negociações com o Congresso serão fundamentais para o sucesso do programa. O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, participou hoje de audiência na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, onde apresentou as motivações para o ajuste. O discurso para convencer os diversos agentes econômicos parece ter mudado. O enfoque nos sacrifícios causados pelo ajuste foi substituído pelos benefícios que serão colhidos no futuro.

Levy tem salientado que se os ajustes não forem feitos o risco de perda do grau de investimento da economia brasileira é muito elevado. E caso o país perca esse selo de bom pagador o custo será altíssimo para o governo, para as empresas e para os trabalhadores. O objetivo de todo ajuste seria então o de consolidar os ganhos sociais. Em frase do próprio ministro, “Para preservação do emprego, temos que botar a dívida pública numa trajetória sustentável”.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,10% em abril, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados atingiu 2,10% em abril, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve diminuição (em março o nível foi de 2,29%),…

Boa Vista SCPC: Demanda por Crédito do Consumidor cai 2,3% em abril

A Demanda por Crédito do Consumidor caiu 2,3% em abril com ajuste sazonal frente a março, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Já na avaliação dos valores acumulados em 12 meses (maio de 2016 até abril de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve desaceleração da…

Movimento do Comércio cai 1,0% em abril, diz Boa Vista SCPC

Dados do varejo apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), apontam que o Movimento do Comércio caiu 1,0% em abril, considerando as informações mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (maio de 2016 até abril de 2017) houve queda de 3,4% frente aos 12 meses antecedentes. Já na…