Equipe econômica estuda aumentar tributos

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

Matéria publicada na Folha de São Paulo desta segunda-feira informa que a nova equipe econômica vai optar por aumento de tributos para fechar as contas públicas, que até outubro registravam déficit de R$ 11,5 bilhões no ano. Segundo a matéria, o governo federal estuda incluir no pacote de aumento de tributos para ajuste de suas contas a cobrança de PIS/Cofins sobre produtos importados e a alta na taxação de cosméticos. As duas medidas podem render R$ 5 bilhões extras em 2015. A volta da contribuição que regula preços dos combustíveis (Cide) também está nos planos da equipe econômica. A taxa, hoje zerada, arrecadaria R$ 14 bilhões.

Mais uma vez o governo comete um equívoco ao optar por aumento de impostos para tentar resolver seus problemas de caixa. O erro de Dilma tem uma explicação que está no DNA do seu governo: a despesa pública total, que aumentou escandalosamente em cada um dos seus anos de mandato, obrigando a se praticar uma escalada tributária que mata a geração de caixa das empresas. Todas as pesquisas divulgadas por institutos internacionais mostram perda de competitividade do Brasil. E todas elas evidenciam a tributação complexa e excessiva na raiz do problema. O cenário da indústria e, de resto, o nível das expectativas dos empresários estão muito dependentes de sinalizações práticas do governo no segundo mandato de Dilma que, em boa medida, ainda não aconteceram. Por enquanto, o mercado é embalado por pura esperança de uma renovação apenas pelos nomes anunciados da equipe econômica. A notícia de que a nova equipe pretende fazer o ajuste pelo aumento de impostos é mais do mesmo. Sem uma mudança na política fiscal e tributária, continuaremos perdendo espaço na economia mundial. A sinalização de responder de modo incisivo e direto ao enorme desafio de eficiência na gestão pública, controle da corrupção e desperdício ainda não aconteceu.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Percentual de cheques devolvidos atingiu 2,06% em fevereiro, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados atingiu 2,06% em fevereiro, registrando diminuição em relação a fevereiro de 2016, quando alcançou 2,22%. O percentual de cheques devolvidos sobre movimentados também recuou na comparação mensal (em janeiro o nível foi de 2,07%), sendo o resultado…

Boa Vista SCPC: Demanda por Crédito do Consumidor cai 4,0% em fevereiro

A Demanda por Crédito do Consumidor caiu 4,0% em fevereiro, na avaliação dessazonalizada contra janeiro, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Contudo, na avaliação dos valores acumulados em 12 meses (março de 2016 até fevereiro de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 9,5%,…

Movimento do Comércio cai 1,0% em fevereiro, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), apontam que o Movimento do Comércio caiu 1,0% em fevereiro, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (março de 2016 até fevereiro de 2017) houve queda de 3,8% frente aos 12 meses antecedentes. Já na…