Europa se inclina de novo para a recessão

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

Com a Itália já dentro do território negativo em relação ao seu PIB e o índice de confiança ZEW do empresariado alemão no ponto mais baixo desde dezembro de 2012, a Europa mostra claros sinais de perda de vitalidade da economia comunitária, apesar de algumas exceções a tal declínio, como a da economia britânica. O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, em recente pronunciamento, explicou porque o banco decidiu manter intocada a taxa básica de juro no seu nível histórico mais baixo. Além disso, o BCE havia tomado duas medidas e agora as reforçou: primeiro, manter a taxa de remuneração negativa aos depósitos dos bancos na reserva do BCE, portanto, “punindo” os bancos por deixarem recursos ociosos no BCE sem emprestá-los ao público; segundo, criando um fundo de 400 bilhões de euros para os bancos emprestarem a PMEs.

Na esteira da fraqueza europeia, a EONIA, taxa média do mercado “overnight” europeu, baixou ao seu ponto mais baixo, de apenas UM ponto-base, ou seja, 0,01%. Sobra dinheiro e falta disposição para emprestar na Europa. Com o agravamento das relações com a Rússia e ameaça de invasão na Ucrânia, as vendas europeias tendem a cair mais. Outros indicadores, como o barril do petróleo (Brent) recuaram ontem a US$ 103,50, de um nível de US$ 115 em junho passado, mesmo com erupções de conflitos sérios em vários países petroleiros, como Iraque e Líbia. A debilidade dos preços de commodities se generalizou, especialmente em minério de ferro e grãos, afetando o ganho em dólares do Brasil. O cenário de 2015 fica difícil para o setor externo brasileiro. Apenas a economia dos EUA se sobressai, pela recuperação de várias de suas cadeias produtivas exportadoras. A pergunta é saber se apenas os EUA poderão bancar a sustentação da economia mundial. A resposta é: muito provavelmente, não.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…