Expansão fiscal mantém juros elevados

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

O Comitê de Política Monetária do Banco Central decidiu manter, por unanimidade, a taxa básica de juros em 11% ao ano pela segunda reunião consecutiva. O Bacen repetiu o comunicado emitido em seu encontro anterior em que diz que continua “avaliando a evolução do cenário macroeconômico e as perspectivas para a inflação” e que “neste momento” decide manter a taxa Selic.

Não houve surpresa. A decisão do Copom de manter a taxa de juros inalterada já era esperada pelo mercado. O que o mercado discute agora é a expressão “neste momento” no comunicado. Para uns, é indicação de que pode subir a taxa de juros até o final do ano, já que a inflação permanece elevada. Para outros, é a possibilidade de redução tendo em vista o baixo crescimento. Na verdade, o efeito da alta de juros sobre a demanda já atingiu os objetivos, como mostra a desaceleração pela procura por bens duráveis. A inflação de serviços, que roda em torno dos 8,5% desde 2011, tem mais relação com o mercado de trabalho do que com a taxa de juros. A inflação represada pelo controle dos preços de combustíveis e energia elétrica pressionarão os índices de preços qualquer que seja a taxa de juros. O desequilíbrio fiscal das contas públicas é a causa principal da pressão inflacionária registrada nos preços livres. A persistência da política fiscal expansionista tem tornado o Banco Central um mero “enxugador de gelo” com sua política de juro alto. O governo gasta demais e pressiona a demanda. A velocidade de crescimento das despesas correntes, 14% ao ano, vem subindo ao dobro da expansão do PIB nominal. Com essa expansão fiscal não há política monetária que consiga trazer a inflação para o centro da meta.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…