Expectativas melhoram para o crédito ao consumo

Por Yan Cattani e Flávio Calife, da área de Indicadores e Estudos Econômicos da Boa Vista SCPC.

Amanhã o Banco Central (BC) divulgará os primeiros dados sobre crédito do ano. Em comparação com outros setores da economia, pode-se dizer que o setor bancário ainda passa distante de uma crise. A inadimplência mantém-se estável, o saldo de crédito segue crescendo a dois dígitos e o sistema financeiro tem mostrado grande robustez frente aos choques externos.

Contudo, nos últimos anos temos observado forte tendência de desaceleração. Especificamente, o crédito para consumo (representado principalmente pelos recursos livres), que possui uma participação no crédito total de 52,2% e apresentou em sua última aferição um pífio crescimento de 4,7% em termos nominais. Ou seja, considerando a inflação acumulada nos últimos 12 meses, há na realidade uma queda real dos recursos.

Esta preocupação tem se refletido diretamente nos Indicadores de Condições de Crédito (ICC), também divulgados pelo BC. Além de mostrar-nos a situação atual, a pesquisa faz uma aferição das expectativas do mercado em relação à oferta, demanda e aprovação do crédito. Com relação ao último resultado dos indicadores, houve piora no lado da oferta na maioria das categorias analisadas no último trimestre de 2014 e a demanda surpreendentemente apresentou uma melhora. Em termos de aprovação de crédito (o efetivamente cedido aos demandantes), o crédito para consumo foi o único a apresentar queda.

Para o primeiro trimestre de 2015, as expectativas apontam deterioração em quase todas os indicadores. Mas enquanto a demanda cai de forma generalizada, a oferta e a aprovação de crédito apresentam melhora somente para a categoria de consumo. Considerando a importância que o crédito para consumo possui frente ao total, vê-se um primeiro sinal positivo neste ano. Os dados que serão divulgados amanhã poderão abrir as portas para esse cenário. Talvez seja hora de colocar no radar uma participação mais decisiva do consumo na oferta de crédito.

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…