Expresso do Oriente

Um novo banco de desenvolvimento está prestes a surgir no mundo. O Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (ou AIIB, da sigla em inglês) entra em rota irreversível, capitaneado pela China, local onde será sediado. Seu nascimento é polêmico: é a primeira instituição financeira voltada a projetos que não possui vínculos diretos com os Estados Unidos, aos moldes do Fundo Monetário Internacional ou Banco Interamericano de Desenvolvimento. Até o presente momento, cerca de 45 países já solicitaram ser membros fundadores da instituição, conforme relatou o jornal espanhol El País.

Diversas incertezas ainda permeiam o projeto, previsto para começar a funcionar até o final deste ano. Os aportes iniciais rondam a casa dos US$ 50 bilhões, com outros US$ 100 bilhões deixados como garantia. A China ainda não se pronunciou claramente sobre um possível direito de veto, uma vez que será a sócia-majoritária da instituição. Regras de governança corporativa também são uma incógnita e o excesso de competição entre os demais organismos no mundo poderá debilitar vigorosos bancos já existentes.

Não é de hoje que a China galga grandes objetivos econômicos. Após décadas de crescimento econômico anual acima dos 10%, hoje o país passa por um arrefecimento, com crescimento de “apenas” 7% no ano. Ainda assim, sua tradição bancária é considerada como sendo relativamente nova. Suas diversas empreitadas no ramo, desde a posse do presidente Xi Jinping em março de 2013, aumentaram consideravelmente. Especificamente na América Latina, os investimentos chineses aumentaram em mais de 70%. E o Brasil também embarca neste “expresso”. Sua participação em um órgão desta proporção é vista como positiva pelos investidores e como mais uma tentativa brasileira de aumentar sua integração econômica com o resto do mundo.

Mesmo com os investimentos chineses já permeando nossa economia há algum tempo, a criação de um vínculo mais formal tende a facilitar as entradas de recursos para o país, que passa por um momento crítico, tanto a nível macroeconômico, dada as projeções de queda do PIB de 2015, quanto a nível setorial, a exemplo da Petrobras, que fechou na semana um contrato de US$3,5 bilhões com o Banco Chinês de Desenvolvimento somente para fazer caixa e honrar suas dívidas de curto prazo. É boa a hora para novos recursos.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Número de novas empresas aumentou 6,6% no 1º trimestre de 2017, segundo Boa Vista SCPC

No 1º trimestre de 2017 o número de novas empresas cresceu 6,6% em relação ao mesmo período de 2016 (análise interanual), segundo levantamento da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com abrangência nacional. Em relação ao 4º trimestre de 2016 houve aumento de 29,2%. Forma jurídica Na análise por classificação de forma…

Inadimplência das empresas inicia 2017 com queda de 0,3%, diz a Boa Vista SCPC

A inadimplência das empresas em todo o país caiu 0,3% no 1º trimestre de 2017 quando comparada ao mesmo trimestre do ano anterior, de acordo com dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Depois de três anos consecutivos de alta do indicador na comparação interanual (1º tri de 2017 contra o…

Boa Vista SCPC: inadimplência do consumidor paulistano caiu 4,3% no 1º trimestre

A inadimplência do consumidor na cidade de São Paulo teve queda de 4,3% no acumulado do ano (1º trimestre de 2017 contra o mesmo período do ano passado), de acordo com os dados da Boa Vista SCPC. Na comparação interanual (março-17 contra março-16), a inadimplência retraiu 8,4%. Contra o mês anterior (março-17 contra fevereiro-17) houve…