Facebook frustra investidores enquanto ações caem para menos de US$20

Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

Apresentada aos investidores como a grande vedete do mercado em 2012, a oferta pública inicial (IPO) do FACEBOOK chegou ao mercado com um valor de US$38 por ação, listada em 17 de maio. Atingiu momentaneamente US$45, num curto auge de euforia produzida por projeções irrealistas. Milhões de ações trocaram de mãos naquele momento, quando o controlador – o talentoso Mark Zuckerberg – e vários bancos operadores da fase pré-bolsa, inclusive Goldman Sachs, puderam ter saída do investimento, entrando os compradores de varejo. Estes tomaram um prejuízo que, em apenas 90 dias, passa de 50% do valor de compra. A empresa, que valia US$100 bilhões, era cotada em US$43 bilhões na 5ª feira.

O movimento de ofertas maciças de venda decorre do fim gradual do bloqueio de venda de ações adquiridas antes da listagem em bolsa. Cerca de 2 bilhões de ações se tornarão elegíveis para negociação nos próximos 10 meses, segundo fonte do mercado.  Na semana passada, as ações valiam $19,87 e teme-se que a pressão vendedora não arrefeça. Os especialistas continuam “shorteando” Facebook.  Desde sua listagem em maio, o Facebook é o pior desempenho entre todas as ações acompanhadas no S&P 500 e no Nasdaq 100. A conotação desse fato é especialmente negativa para a credibilidade do mercado financeiro americano e para a confiança nos seus fiscais e reguladores, apontando a razão daqueles que consideram necessário um novo ordenamento ético nas finanças e nos modos de conduta do ainda principal centro do capitalismo mundial.

Ed.11

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…