Facebook frustra investidores enquanto ações caem para menos de US$20

Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

Apresentada aos investidores como a grande vedete do mercado em 2012, a oferta pública inicial (IPO) do FACEBOOK chegou ao mercado com um valor de US$38 por ação, listada em 17 de maio. Atingiu momentaneamente US$45, num curto auge de euforia produzida por projeções irrealistas. Milhões de ações trocaram de mãos naquele momento, quando o controlador – o talentoso Mark Zuckerberg – e vários bancos operadores da fase pré-bolsa, inclusive Goldman Sachs, puderam ter saída do investimento, entrando os compradores de varejo. Estes tomaram um prejuízo que, em apenas 90 dias, passa de 50% do valor de compra. A empresa, que valia US$100 bilhões, era cotada em US$43 bilhões na 5ª feira.

O movimento de ofertas maciças de venda decorre do fim gradual do bloqueio de venda de ações adquiridas antes da listagem em bolsa. Cerca de 2 bilhões de ações se tornarão elegíveis para negociação nos próximos 10 meses, segundo fonte do mercado.  Na semana passada, as ações valiam $19,87 e teme-se que a pressão vendedora não arrefeça. Os especialistas continuam “shorteando” Facebook.  Desde sua listagem em maio, o Facebook é o pior desempenho entre todas as ações acompanhadas no S&P 500 e no Nasdaq 100. A conotação desse fato é especialmente negativa para a credibilidade do mercado financeiro americano e para a confiança nos seus fiscais e reguladores, apontando a razão daqueles que consideram necessário um novo ordenamento ético nas finanças e nos modos de conduta do ainda principal centro do capitalismo mundial.

Ed.11

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…