Fala de Bernanke terá pouco efeito sobre temores mundiais

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

O discurso de Ben Bernanke (do FED), ontem na Câmara de Deputados dos EUA, trouxe alívio momentâneo aos mercados. Entretanto, poderá ter efeito curto diante dos temores da desaceleração mundial no horizonte. A fala de Bernanke contém um receio cifrado sobre o recuo no ritmo de demanda em vários países emergentes, em especial a China – cujos problemas de liquidez nos bancos é pior do que se noticia – mas também pela desaceleração na Índia, Turquia, Brasil, México, apenas para citar alguns emergentes de porte. Por isso, Bernanke desfez parte da ameaça anterior de iniciar a redução nas injeções maciças na economia americana. A queda de quase 10% em junho (sobre maio) no ritmo de novas construções residenciais nos EUA – que vinha bem – parece dar razão à continuidade da política de sustentar a economia americana à base de anabolizantes.

O efeito da fala de Bernanke no Brasil ajudou a recuperar o Ibovespa de alguns pontos e fazer recuar o dólar para a faixa de hoje, a R$2,23. Mas ainda é cedo para apostas sobre a estabilidade de qualquer cotação frente ao Real, pois o Banco Central, em sua Ata de hoje, não deixou claro o caminho dos juros nas próximas reuniões. A inclinação percebida é de que a inflação se acomodou, embora elevada, sugerindo altas mais moderadas nos juros. Por outro lado, surgem projeções de déficit na balança comercial, como os US$ 2 bilhões divulgados pela AEB (Assoc. dos Exportadores). Para estes exportadores, o câmbio deveria andar pelo menos em R$2,40. Nossa aposta, da RC Consultores, continua sendo de R$2,20.

Ed.229

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…