Famílias perdem um trunfo

Considerado um paradoxo da economia brasileira nos últimos anos, a taxa de desemprego seguiu um longo caminho de gradativas reduções ao mesmo tempo em que os preços mantinham-se controlados. Mas esse cenário mudou, convivemos com altas taxas de inflação e aumento nos níveis de desemprego. De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad Contínua), divulgada hoje pelo IBGE, a taxa de desemprego no primeiro trimestre do ano atingiu 7,9%, registrando um aumento de 0,7 p.p. em relação ao primeiro trimestre do ano anterior. O desemprego do trimestre encerrado em março foi o maior dos últimos dois anos.

Com a perda de fôlego da atividade econômica, a economia não consegue gerar a quantidade de empregos suficiente para atender o aumento de pessoas no mercado de trabalho, criando-se assim uma pressão sobre os rendimentos. Na comparação interanual entre o primeiro trimestre de 2015 e 2014, o aumento da população desempregada foi de 12,6%, mesmo com o acréscimo da população ocupada, 0,8% na mesma base de comparação. Com isso, o rendimento médio real habitual mensal permaneceu em R$1.840, ou seja, as famílias não tiveram ganhos reais na comparação interanual e mais pessoas procuram emprego.

Os números são condizentes com o atual cenário que contempla os ajustes fiscal e monetário e a desconfiança por parte dos empresários e dos consumidores. A questão agora não é nem mesmo o trade-off entre desemprego e inflação, já que hoje temos os dois.

Mesmo com a piora do cenário macroeconômico, as famílias conseguiram superar as adversidades e honraram suas obrigações financeiras. Isso foi possível graças às boas condições do mercado de trabalho. A redução ininterrupta da taxa de desemprego e o aumento dos ganhos reais deram respaldo às famílias nesse período. Resta saber agora, quão dolorosa será a perda desse trunfo.

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…