Fatores adicionais dificultarão o crédito em 2015

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

A seca prolongada na região Sudeste passou a ser fator de risco nas análises de crédito. Antes restritas ao crédito para o setor agrícola, agora as avaliações sobre a meteorologia passam a ser aferidas antes da liberação de empréstimos para o setor produtivo. Alguns setores como o químico, elétrico, papel e celulose, bebidas e sucroalcooleiro, dada a sua forte dependência de água, passam a ter uma atenção especial pelos departamentos de crédito dos bancos.

A preocupação com a seca passa a ser mais um elemento a dificultar o crédito nos curto e médio prazos. Ao longo do ano os bancos já foram seletivos na concessão de crédito e subiram o spread bancário. Isso ajuda a explicar a inadimplência historicamente baixa. No entanto, empresas de alguns setores, como o sucroalcooleiro, já vêm enfrentando dificuldades para honrar os compromissos financeiros. Nesses setores já se observa a dificuldade de se conseguir crédito para financiar o giro. O momento atual não é de falta de liquidez, ou seja, dinheiro disponível no mercado. O momento é de um problema de confiabilidade. Os riscos de empréstimos aumentaram porque a economia está desacelerando. O crédito em 2015 será fator de preocupação. Tudo indica que será caro, curto e perigoso.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…