Fim do cabo de guerra

Por Yan Cattani, da área de Indicadores e Estudos Econômicos da Boa Vista SCPC

“Avaliando o cenário macroeconômico e as perspectivas para a inflação, o Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa Selic em 0,50 p.p., para 12,25% a.a., sem viés”. Esta foi a frase emitida pelo Banco Central (BC) ontem, que optou pela manutenção do ciclo de aperto monetário. A decisão já era esperada pelo mercado, uma vez que a inflação fechou 2014 em 6,41%, patamar de preços considerado elevado e muito próximo ao teto da meta (6,50%).

Este foi o comunicado mais breve da autoridade monetária na gestão Tombini. Mesmo sem explicar muito, a nota acabou dizendo tudo o que o mercado financeiro queria ouvir, suprimindo a parte que ressaltava uma implementação a ser realizada “com parcimônia”. Após enfrentar um cenário que estourou o teto da meta durante praticamente 6 meses no ano passado, a simplificação acabou por sinalizar alterações importantes da postura da autoridade monetária.

Foi, portanto, uma atitude bastante hawkish – para utilizar termos mercadológicos. O empenho em demonstrar um comprometimento com a meta de inflação dá maior credibilidade ao BC, abalada nos últimos 4 anos, além de sincronizar-se à visão da Fazenda. Talvez seja cedo para declarar fim do cabo de guerra entre as instituições, mas sem dúvidas os ajustes, fiscal e monetário, caminham juntos para melhoria da confiança na economia como um todo. Contudo, é importante contrabalancear a expectativa otimista através das variáveis condicionantes externas. A reunião de hoje do Banco Central Europeu deverá concretizar o afrouxamento monetário na Zona do Euro, aumentando a liquidez mundial, um fator positivo para as economias como o Brasil. Na contramão, os Estados Unidos gradativamente retiram os estímulos monetários, a crise na Rússia ofusca investimentos estrangeiros nos países emergentes e a drástica queda do preço do petróleo afeta bilhões de dólares em investimentos por aqui. Esta constelação de fatores ainda está longe de se resolver, mas por ora, façamos apenas a lição de casa.

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…