Fluxo cambial negativo pela primeira vez em 5 anos

Por Thiago Custódio Biscuola, da RC Consultores

Desde o ano de 2008, ano de estouro da crise financeira, não era observado um saldo negativo no fluxo de divisas. Naquele ano o fluxo foi negativo em US$ 983 mi, muito inferior ao verificado em 2013, cuja saída líquida de divisas somou US$ 12,26 bi. Este resultado só não foi pior que o verificado em 2002, ano de eleição de Lula, quando o fluxo negativo fora de quase US$ 13 bi. No resultado do ano passado, destaque para as operações financeiras que sofreram com a saída líquida de US$ 23,4 bi. A conta comercial, por sua vez, teve saldo positivo de US$ 8,37 bi.

A saída expressiva de dólares ao longo do ano de 2013 deveu-se, sobretudo, às incertezas quanto ao fim do programa de compra de títulos do Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano). O temor quanto à retirada dos estímulos monetários fez com que aumentasse a aversão ao risco em relação aos mercados emergentes, promovendo grande afluxo de recursos destes países. Brasil e Índia foram os que mais sofreram, e viram suas moedas depreciarem fortemente. A perda de credibilidade da política fiscal brasileira acentuou este processo. Contribuiu também o menor saldo da balança comercial em treze anos, com o superávit de apenas US$ 2,56 bi. O ano de 2014 começa com incertezas ainda maiores. A deterioração do quadro fiscal brasileiro aumenta o risco de rebaixamento da dívida soberana brasileira pelas agências de rating. Apesar de uma provável melhora do saldo comercial, o fluxo cambial poderá continuar pressionado, o que eleva a possibilidade de um novo ciclo de aumento na taxa básica de juros.

Ed.342

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…