FMI aposta que o mundo melhora, mas pouco, em 2014

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

Durante seu encontro anual, o FMI soltou revisão (baixista) de suas previsões anteriores sobre 2013 e apontou para um 2014 mais acelerado do que este ano. Na reunião de outubro de 2012, o Fundo previra que o mundo cresceria 3,6% em 2013, recuperando-se da fraqueza sentida no ano passado. De fato, não aconteceu. A crise perdurou em 2013. Agora o Fundo acaba de prever os mesmos 3,6% para 2014. É como se transferisse seu cauteloso otimismo para o próximo ano. Nessa nova projeção, o papel dos EUA ficará mais relevante, pois o FMI espera que o ritmo do PIB americano se acentue dos atuais 1,6% para 2,6% em 2014. Pelas projeções, o Brasil cresceria menos que os EUA no ano que vem, pois o FMI projeta o Brasil repetindo os mesmos 2,5% deste ano.

O FMI tem errado suas projeções desde antes do começo da atual crise mundial. Não capturou o tamanho da reação que viria dos afrouxamentos monetários, no sentido de inflar a velocidade das economias emergentes em 2010 e 2011. E tampouco antecipou o esgotamento do efeito dos bancos centrais insuflarem enorme liquidez. O FMI achava, em 2012, que a força do crescimento nos países emergentes garantiria a demanda mundial. Estava enganado. Em 2013, a grande maioria dos emergentes desacelerou em função dos déficits em conta corrente (casos da Índia e Brasil) ou por menor impacto dos investimentos, caso da China. Outros emergentes de médio porte, como México e África do Sul também desapontaram bastante. A pergunta é: continuarão desapontando ou haverá reaquecimento? A atual situação fiscal nos EUA e seus impasses políticos não ensejam grande otimismo sobre 2014. O FMI poderá errar de novo, por otimismo recorrente.

Ed.288

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…