FMI aposta que o mundo melhora, mas pouco, em 2014

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

Durante seu encontro anual, o FMI soltou revisão (baixista) de suas previsões anteriores sobre 2013 e apontou para um 2014 mais acelerado do que este ano. Na reunião de outubro de 2012, o Fundo previra que o mundo cresceria 3,6% em 2013, recuperando-se da fraqueza sentida no ano passado. De fato, não aconteceu. A crise perdurou em 2013. Agora o Fundo acaba de prever os mesmos 3,6% para 2014. É como se transferisse seu cauteloso otimismo para o próximo ano. Nessa nova projeção, o papel dos EUA ficará mais relevante, pois o FMI espera que o ritmo do PIB americano se acentue dos atuais 1,6% para 2,6% em 2014. Pelas projeções, o Brasil cresceria menos que os EUA no ano que vem, pois o FMI projeta o Brasil repetindo os mesmos 2,5% deste ano.

O FMI tem errado suas projeções desde antes do começo da atual crise mundial. Não capturou o tamanho da reação que viria dos afrouxamentos monetários, no sentido de inflar a velocidade das economias emergentes em 2010 e 2011. E tampouco antecipou o esgotamento do efeito dos bancos centrais insuflarem enorme liquidez. O FMI achava, em 2012, que a força do crescimento nos países emergentes garantiria a demanda mundial. Estava enganado. Em 2013, a grande maioria dos emergentes desacelerou em função dos déficits em conta corrente (casos da Índia e Brasil) ou por menor impacto dos investimentos, caso da China. Outros emergentes de médio porte, como México e África do Sul também desapontaram bastante. A pergunta é: continuarão desapontando ou haverá reaquecimento? A atual situação fiscal nos EUA e seus impasses políticos não ensejam grande otimismo sobre 2014. O FMI poderá errar de novo, por otimismo recorrente.

Ed.288

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…