Gigantismo da máquina pública compromete investimentos

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

Ontem o Senado Federal aprovou o projeto de iniciativa do Executivo que cria 171 cargos comissionados no Dnit, na Sudene, na Sudam, na Sudeco e no Ministério da Integração Nacional.

Em dez anos o número de ministérios no Brasil praticamente dobrou. Passou de 21 em 2002 para 39 em 2012 com a futura criação do Ministério da Pequena e Micro Empresa. Ainda pode chegar a 40 se a promessa da presidente Dilma de criar o Ministério da Irrigação Nacional se concretizar. Para efeito de comparação, a Alemanha possui 16 ministérios, o Chile 22 e a Argentina 16.  Para fazer funcionar essa gigantesca estrutura, o número de servidores ativos do Executivo passou de 809 mil para 984 mil funcionários, um crescimento de 22%. Os salários que consumiam R$ 59,5 bilhões em 2002, ou R$ 115,9 bilhões em valores corrigidos, chegaram a R$ 154,5 bilhões em agosto deste ano. Ou seja, em termos reais, um aumento de 33%.

O resultado desse gigantismo da máquina pública é o constante aumento dos gastos de custeio comprometendo o nível do investimento. Em 2011, a despesa pública subiu mais do que o PIB nominal. O setor público continua tomando espaço do setor privado na economia. Esse “crowding out” é devastador. As chances de uma aceleração efetiva dos investimentos privados neste ano e nos seguintes ficam cada vez mais reduzidas.

Ed.73

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…