Governo mexe na mistura do combustível de olho na inflação

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

O Governo federal fez grande barulho ao anunciar medidas de desoneração pontual ao setor sucro-alcooleiro. Zerou o Pis-Cofins na produção do etanol e abriu novas linhas de crédito subsidiadas no BNDES para estocagem do produto. O pacote inclui o aumento na mistura à gasolina, de 20 para 25% em etanol. O setor produtivo de etanol estima que a produção deste ano, de 25 bilhões de litros, dará conta do recado, sem riscos ao abastecimento. O governo continua na sua toada desde o início do ano, voltado a colher resultados favoráveis no IPCA de 2013, que permanecerá muito pressionado por fatores de custos; portanto, qualquer décimo de percentagem de ganho no índice de preços passa a ser relevante, como é o caso no aumento da mistura de combustível para 25% em álcool.

O setor produtivo de etanol tem outras contas sobre o pacote. E vê com bem menos entusiasmo o panorama à frente. Não é garantido que o ganho de zerar o Pis-Cofins seja capturado pelos produtores  do combustível verde. A medida de crédito farto também chega tarde para muitos que não têm mais uma ficha de crédito em condições de acessar a linha especial do BNDES. O mais provável é que esse crédito subsidiado seja capturado por quem já têm outras fontes. Mais importante: o pacote do governo não mexe de modo relevante com os preços relativos na relação entre gasolina e etanol, ou entre açúcar e etanol. Ou seja, o pacote não tornou mais interessante investir em etanol daqui para frente. Trata-se de mais um remédio para passar 2013 e de chegar a 2014.

Ed.171

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…