Governo pratica negação sistemática diante de apagão iminente

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

O ONS – Operador Nacional do Sistema Elétrico – órgão federal responsável pela condução da oferta de energia elétrica no País demorou a explicar a causa real da queda de fornecimento que ontem afetou 11 estados e mais de seis milhões de usuários finais do sistema. O ONS pôs a culpa na sobrecarga geral que havia obrigado o Operador a “importar” mais energia do que a habitual, vinda do Norte (Tucuruí), representando cerca de 8% da carga do País. O fato por trás do episódio ficou relegado: há aumento substancial da demanda no sistema como um todo, que opera também as termelétricas, neste momento, com carga total. E, simultaneamente, uma severa diminuição da oferta de carga pelas hidrelétricas, que estariam sendo poupadas nos vertedouros, até por não haver água suficiente nos reservatórios para atender à soma da demanda atual, neste período que seria de recomposição de reservatórios, com a demanda futura, que utilizaria, no período seco, a água economizada agora.

A questão mais espinhosa é a oferta futura de energia. Por sorte, a demanda industrial será fraca em 2014, conforme se projeta, e os custos na ponta do mercado livre já explodiram. Assim, setores muito intensivos em energia e que já têm suas demandas contratadas, como o de produção de alumínio, por exemplo, enxergam mais racionalidade em conter ou paralisar sua produção industrial e revender a energia no mercado livre, apurando mais caixa do que com a venda do seu produto. Porém, as demandas residencial e comercial continuam extrapolando previsões. O governo errou ao usar politicamente a redução do custo da conta de energia no ano passado, assim estimulando uma demanda que precisava ser contida. Empurrou a demanda enquanto a oferta literalmente encolhia. Armou uma bomba que deve repercutir num período eleitoral e, talvez, apresentar-se de modo mais grave durante os eventos esportivos. Não poderia haver uma confissão mais gritante de má gestão.

Ed.358

Comentários

comentários

Posts relacionados

Boa Vista SCPC: recuperação de crédito sobe 3,0% em janeiro

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base do crédito– apontou elevação de 3,0% na análise mensal contra dezembro, descontados os efeitos sazonais. Já na variação acumulada em 12 meses apresentou alta de 2,7%, enquanto na análise interanual (mesmo mês de 2016) houve…

81% dos consumidores esperam que em 2017 a relação entre recebimento e gastos melhore, segundo Boa Vista SCPC

A maioria dos entrevistados (81%) na Pesquisa Perfil do Inadimplente, da Boa Vista SCPC, espera que em 2017 a relação entre recebimentos e gastos esteja melhor do que a existente no 4º trimestre de 2016, período no qual o levantamento foi elaborado contendo a participação de consumidores de todo o país. Em dezembro de 2015,…

CDC completa 27 anos e representa uma conquista de consumidores e de empresas

Março é um mês especial para os consumidores (e para as empresas). É que no dia 11, há 27 anos, entrou em vigor o Código de Defesa do Consumidor (CDC). A Lei 8.078 foi assinada pelo então presidente Fernando Collor em setembro de 1990, determinando que entrasse em vigor seis meses depois, no dia 11…