Governo se defende, mas precariedade fiscal se alastra

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

Interrompendo férias no Nordeste, o ministro Guido Mantega concedeu entrevista ao VALOR para se defender de acusações cada vez mais frequentes de manipulação orçamentária. Em parte, o argumento do ministro é válido, pois certos procedimentos contábeis são admissíveis em qualquer lugar, quando mantidos em níveis suportáveis e quando justificados por situações excepcionais. O mundo, segundo Mantega, vem prejudicando o desempenho fiscal do Brasil pelo efeito sobre a base fiscal de arrecadação da indústria, como ocorreu em 2012, o que o obrigou a desonerações (~$45 bi) e à cobertura de superávits fiscais não realizados nos estados e municípios (~$20bi). O ministro lembra ainda, que os bancos centrais e Tesouros das economias avançadas têm realizado manobras fiscais e monetárias muito mais ousadas e até temerárias, sob o argumento da urgência e excepcionalidade. Nisso o Brasil realmente se diferencia por estar em posição muito menos vulnerável do que a maioria dos demais.

Registramos nesta centésima edição do Foco Boa Vista nosso esforço de levar a você uma visão de futuro ao mesmo tempo imparcial e crítica, portanto antecipadora de novas conjunturas. Daí a relevância de comentar a entrevista do ministro da Fazenda, realçando a defesa que ele fez, mas alertando para a crescente precariedade da situação fiscal por ele gerida. Viramos o ano sem Orçamento aprovado e com um ato de Medida Provisória para tapar buraco. Pagaremos o Fundo dos Estados, FPE, na base precária de um parecer do TCU que contraria comando negativo do Supremo. Os Restos a Pagar do governo caminham para $200 bi denotando crescente precariedade de execução, especialmente dos investimentos públicos. São sintomas que, isolados, não assustam; se somados e potencializados, acendem uma luz amarela grave. O Brasil, de fato, está melhor que a maioria dos países em crise. Daí a maior preocupação, pois a falta de uma real eficiência tributária e orçamentária – para afastar de vez a precariedade fiscal – faz o País jogar fora um momento precioso em que seu PIB poderia estar recuperando fortemente o tempo perdido no afogamento inflacionário e nas crises de dívidas dos anos 1980 e 90. Esperamos que na edição 200 ou 300 deste FOCO essa ficha já tenha caído para o governo.

Ed.100

Comentários

comentários

Posts relacionados

Demanda por Crédito do Consumidor cai 0,7% no 1º semestre, segundo Boa Vista SCPC

A Demanda por Crédito do Consumidor caiu 0,7% no 1º semestre de 2017, em comparação ao 1º semestre de 2016, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação interanual, junho apresentou estabilidade nos dados, enquanto nos valores acumulados em 12 meses (julho de 2016 até junho…

Movimento do Comércio cai 3,2% no 1º semestre, diz Boa Vista SCPC

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, caiu 3,2% no acumulado no ano (1º semestre de 2017 contra o mesmo período do ano passado), de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12…

47% dos consumidores inadimplentes estão muito endividados, revela pesquisa da Boa Vista SCPC

O nível de endividamento elevado (muito endividado) atinge 47% dos consumidores inadimplentes, ou seja, que estão com o “nome sujo”, de acordo com a pesquisa nacional Perfil do Consumidor Inadimplente, realizada pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com cerca de 1.500 respondentes. Em seguida, 26% se dizem mais ou menos endividados,…