Gravidade intertemporal

Tema em ebulição em todo o mundo, a previdência social tem levado vários países a endurecer as regras de contribuição na tentativa de promover uma maior sustentabilidade do sistema previdenciário, evitando conflitos intergeracionais. Na contramão das discussões, o Congresso brasileiro tenta aprovar mudanças que podem expandir os déficits do sistema para um novo nível de grandeza.

A inércia nesse assunto já nos leva a uma trajetória insustentável, no tempo e no espaço. Estudos do próprio governo mostram que mesmo sem as mudanças o rombo que hoje é de R$ 56 bilhões, o equivalente a 1,1% do PIB, pode chegar a R$ 1 trilhão em 2040 e R$ 7 trilhões em 2060, algo em torno de 9% do PIB.

Apesar da possível contribuição que a Medida Provisória 664 trará ao ajuste fiscal no curto prazo, já que muitos vão adiar a aposentadoria para se adequar às regras, as novas medidas acarretarão impactos nocivos no longo prazo. A fórmula atual que prevê 30 anos de contribuição e 60 anos de idade mínima para as mulheres e para os homens 35 e 65, respectivamente, será alterada pela regra de aposentadoria 85/95. A medida sem dúvida trará uma aceleração dos gastos, e como as receitas devem crescer num ritmo menor, o aumento do déficit é inevitável, já que as medidas que trariam benefícios reais às contas públicas foram retiradas pelo relator.

A toda ação há sempre uma reação oposta e de igual intensidade. Nesse caso, o aumento de impostos para as próximas gerações é a reação mais provável.

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…