Grécia consegue mais um pacote e afasta risco de quebra abrupta

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

Na noite de ontem, os governos europeus e o FMI acordaram (sem divulgação de detalhes) mais um acordo – o terceiro, desde maio de 2010 – que livra a Grécia de inadimplir seus compromissos de modo desordenado, o que traria ainda maiores repercussões negativas para a região e, de resto, para a economia mundial em 2013. Mesmo com os cortes de juros e postergações de pagamentos para além de 15 anos no serviço da dívida – o que se traduz na prática como uma redução no valor real do estoque da dívida grega – o FMI projeta um quadro de estresse financeiro por muitos anos. Após os cortes do passivo, os compromissos gregos ainda ficarão em 124% do PIB em 2020 pelas contas do FMI. Realisticamente, é impossível projetar com precisão em situação tão adversa de uma economia de país.

O interesse dos governos neste momento é promover uma recompra direta no mercado, propiciando saída a credores angustiados, que aceitariam fortes descontos, correspondentes a yields de 13 a 16% ao ano, dependendo da maturidade do título. Será uma caminhada lenta e penosa, que lembra a da dívida brasileira nas décadas de 1980 e 1990. Com duas diferenças: nossa dívida nunca chegou perto de 100% do PIB, enquanto o potencial brasileiro de produzir dólares de exportação foi sempre maior do que o da franzina economia grega. A estreiteza de opções deixa os gregos amarrados por longo tempo, fórmula certa para mais instabilidade.  A OCDE acaba de prever que o PIB grego se contrairá mais 4,5% em 2013.

Ed.77

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…