Grécia retorna ao mercado com taxa módica para seu risco

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

Com uma taxa de apenas 5,125% para um título de € 500 milhões, o Banco Piraeus inaugurou o retorno de uma instituição grega ao mercado de capitais após quase seis anos de portas fechadas. Houve cerca de € 3 bilhões em ofertas de compra, o que indica o tamanho do apetite do mercado global, num momento em que a liquidez internacional persiste em grau extremamente elevado e as taxas de juros são muito baixas em termos absolutos, mesmo quando considerados riscos de emissores corporativos e de países recém-saídos da lista de banimento, como a Irlanda e a Espanha. Nem a crise da (quase) anexação da Crimeia pela Rússia conseguiu abalar a confiança (ou euforia) dos investidores.

Reforçando a confiança europeia numa recuperação à vista, a Suprema Corte alemã bateu o martelo sobre uma disputa que pairava sobre a legalidade da participação do governo de Angela Merkel nos programas de socorro financiados pelo Mecanismo Europeu de Estabilidade. A Corte decidiu, sem ressalvas, que tal participação não só é legal como pode ser ampliada pelo Parlamento alemão, desde que embarcada em programas que não sejam a fundo perdido e possam ser revertidos por “futuras maiorias políticas”. É uma decisão que endossa o plano por “uma Europa unida”, capitaneado por Merkel. No mesmo dia, a Troika, que supervisiona as contas fiscais da Grécia, aprovou a renovação dos créditos àquele país para a rodada de maio, argumentando que a Grécia surpreendeu com um superávit primário de € 800 milhões, dos quais a Troika permitirá ao governo grego usar € 500 milhões para financiar programas sociais. Essa é uma lição que o Brasil não enxerga: embora credor líquido, o Brasil paga juros nivelados com a Grécia e se obriga a superávits primários em proporção superior à exigida de países quebrados. Parte dessa diferença se explica, claro, pelo guarda-chuva dos vizinhos alemães. As finanças do Brasil continuam “na chuva”, por duas décadas do Real.

Ed.383

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…