Guerra na Suíça – pelo menos no sentido cambial

Por Yan Cattani, da área de Indicadores e Estudos Econômicos da Boa Vista SCPC

 A Suíça, discreto país localizado bem no coração da Europa, é conhecida pela comunidade internacional por sua estabilidade política, sua experiência bancária e pelo sigilo que possui com a administração dos bens de seus clientes. É um local onde seus habitantes gabam-se de nunca em sua história terem presenciado qualquer tipo de conflito bélico.

Um olhar mais atento à história sugere uma visão alternativa para este último aspecto. Apesar de nunca terem participado diretamente de guerras, na Idade Moderna seu principal negócio era justamente treinar e exportar exércitos de mercenários. Não batalhavam em próprio solo, mas sabiam lutar. E ontem, finalmente, a Suíça decidiu entrar em uma guerra – pelo menos no sentido cambial. De maneira inesperada pelo mercado financeiro, o Banco Central Suíço (SNB) liberou o piso cambial do franco suíço frente ao euro, até então fixado em uma cotação de 1,20. Após o anúncio da medida, o câmbio entre as moedas oscilou entre uma banda de 0,78 e 1,21, estabilizando-se ao final do dia em 1,02 francos/euro. A medida também foi responsável por dar uma verdadeira “chacoalhada” nas ações dos bancos suíços. O maior banco, o UBS, teve suas ações diminuídas em cerca de 12%, outros bancos como Credit Suisse e Julius Baer também incorporaram desvalorizações de 11% em suas ações.

A medida foi, na realidade, uma expansão do programa de valorização do franco que já havia sido iniciado em dezembro, quando o SNB instituiu remuneração negativa em seus títulos. Ela também acontece uma semana antes do Banco Central Europeu (BCE) iniciar seu programa de compra de títulos de dívida, fato que aumentaria a demanda pelo franco, tornando ainda mais cara a manutenção de um câmbio fixo entre as duas moedas. A decisão também evidencia o receio das autoridades suíças em face às recentes turbulências deflagradas pela Rússia ou mesmo que o BCE prolongue por maior tempo seu relaxamento monetário. Ou seja, a Suíça, que antes era um porto seguro dos investidores internacionais, agora passa a ser bem menos atrativa, aumentando a volatilidade dos capitais no mercado internacional, movimentos especulativos, entre outros fatores, afetando principalmente as economias emergentes. A economia internacional nos dá outro parecer desfavorável em 2015.

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…