Há um equilíbrio possível?

O atual jogo entre o Executivo e o Legislativo, principalmente sobre o dilema dos cortes orçamentários, pode não ser o ideal para os interesses da sociedade. Aparentemente, John Nash está cada vez mais vivo no cenário político brasileiro. Segundo a teoria explicada pelo brilhante matemático, em 1951, conhecida como o Equilíbrio de Nash, os jogadores tomam as melhores decisões em função do comportamento ótimo de seus concorrentes ou adversários. Mas nem sempre o equilíbrio de Nash é o desejável, principalmente em um ambiente político de coalização.

Quando observamos o processo orçamentário brasileiro sobre o prisma dos jogos repetidos, percebemos que esse equilíbrio pode ser nocivo. Isso acontece, por exemplo, quando o Executivo promete não contingenciar recursos orçamentários de interesse do Legislativo em troca de um apoio incondicional.

A situação oposta também é verdadeira. Devido à atual necessidade do ajuste fiscal para a retomada de confiança, o Executivo foi obrigado a propor medidas de contingenciamento de emendas parlamentares. Com isso, o Legislativo se sentiu motivado a barganhar projetos de seu próprio interesse que até então estavam adormecidos.

Essa coalizão pode causar distorções ao distribuir os recursos orçamentários em proveito apenas dos jogadores, e não da sociedade, tornando essa cooperação um novo equilíbrio possível, que nem sempre é o ideal. De acordo com Nash, o Legislativo está fazendo o melhor que pode em função daquilo que o Executivo está fazendo. O provável desfecho do ajuste fiscal está muito mais próximo do possível do que do desejável.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…