Inatividade econômica

Os resultados da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgados ontem pelo IBGE, mostraram que 2015 teve o pior desempenho da série histórica (iniciado em 2000), com queda de 4,3%. Com apenas um único setor mantido em patamares positivos, as vendas de produtos farmacêuticos, o varejo deverá recordar-se de 2015 como um ano de consecutivos recordes negativos.
Enquanto as vendas de itens de necessidade básica, como vestuário e alimentação, obtiveram quedas de 8,7% e 2,5%, as vendas de bens duráveis apresentaram impressionantes retrações, principalmente pelas vendas de automóveis e móveis e eletrodomésticos, cujas quedas atingiram 14% e 17,8%, respectivamente.

Sendo o comércio o principal item da categoria de serviços – que também não apresenta resultados animadores em outras frentes – a retração do setor já é dada como certa. Além disso, em outros setores da economia a situação também é complicada. Enquanto no âmbito da indústria o desempenho da produção é ainda mais desanimador (com queda registrada de 8,3% no período), no setor agropecuário há alguma perspectiva de crescimento, impulsionada principalmente pela desvalorização do real frente ao dólar ao longo de 2015. Ainda assim, seu desempenho é pouco relevante para atividade econômica agregada, com cerca de 6% do total.

As perspectivas para o resultado oficial do PIB (a ser divulgado na primeira semana de março pelo IBGE) que já eram pessimistas deverão tornar-se ainda piores. Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco Central, o principal indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR) apresentou queda de 4,1% em 2015. Levando também em consideração as expectativas do boletim Focus do BC desta última segunda-feira (15/01, que apresentou uma retração econômica no ano na ordem de 3,7%), o resultado oficial do PIB deverá mostrar-se, na melhor das hipóteses, em linha com essas projeções. Sem perspectivas de melhora no curto prazo, o ano de 2015 é um forte candidato ao ano que não acabou.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…