Índia chega a Marte e vence corrida de eficiência

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

Parece até notícia forjada. Mas é verdade. A Missão Orbital a Marte (MOM – Mars Orbiter Mission) iniciada em 01 de dezembro de 2013, quando partiu o foguete indiano em direção ao planeta vermelho, cruzando 100 milhões de km em nove meses foi concluída com duplo sucesso, ontem, quando o satélite indiano entrou na órbita de Marte, despregando-se da nave principal. O primeiro ministro da Índia, Narendra Modi, comemorou como um dia histórico. A Índia conseguiu o que nem China ou Japão ainda alcançaram. Apenas os EUA (3) e Europa (1) têm satélites orbitando Marte. Trata-se de uma missão cheia de desafios tecnológicos enfrentados pelo ISRO (Indian Space Research Organisation).

O mais surpreendente é os indianos haverem vencido o desafio financeiro e burocrático dessa missão espacial – problema de qualquer economia emergente – de realizar tal façanha com um orçamento infra curto de US$ 72 milhões. O recente filme “Gravidade”, com George Clooney e Sandra Bullock, uma ficção espacial, custou mais caro. A última missão a Marte dos americanos, que chegou lá na semana passada, custou-lhes US$ 671 milhões. O programa indiano foi muito criticado com os argumentos de sempre, quantas escolas ou hospitais poderiam ter sido construídos. Óbvio equívoco dos críticos, já que a pesquisa e a inovação têm que avançar junto com os programas sociais. Tanto mais se são realizadas de modo tão eficiente na ótica financeira. Em contrapartida, no fim do ano passado, o Brasil tentou orbitar em volta da Terra um satélite sino-brasileiro (CBERS 3), lançado de uma base chinesa. Mas a propulsão falhou. Foram perdidos R$ 160 milhões. Realmente, o desafio competitivo do Brasil na corrida por uma projeção tecnológica mundial, em especial no conjunto dos BRICS, é enorme.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Boa Vista SCPC: Demanda por Crédito do Consumidor sobe 4,6% em maio

A demanda por crédito do consumidor subiu 4,6% em maio frente a abril, com o ajuste sazonal, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação dos valores acumulados em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve desaceleração da…

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…