Índia lidera desvalorização entre os emergentes

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

O Brasil não consegue ser o destaque negativo entre os países emergentes, após a queda generalizada de suas moedas frente ao dólar e euro. A Índia é a líder mundial na perda de valor de sua moeda, a rúpia, com 20% de recuo desde o início do ataque especulativo em junho. A queda é, no entanto, algo como 33% se as cotações de 2010/11 são utilizadas na comparação. É uma “maxidesvalorização” da rúpia, como se costumava dizer das abruptas perdas de valor da moeda em países subdesenvolvidos. O impacto sobre expectativas é enorme entre os gerentes de compras do setor manufatureiro, cujo nível de confiança recuou ao grau de desalento de março de 2009, no auge da recessão.

O efeito inflacionário da queda da rúpia sobre os custos ameaça a economia indiana, sobretudo pelas importações de petróleo. É esperado um ajuste doloroso dos preços do combustível. O cenário indiano não difere do brasileiro. Contudo, a saída indiana da crise, via exportações, se dará pela porta dos manufaturados. No Brasil, ainda contamos com a vantagem nas exportações de commodities. O agronegócio continua bancando a renda salarial do Brasil urbano. Na Índia, a competição com manufaturados de terceiros países vai requerer dos exportadores indianos maiores sacrifícios de margens. Os ganhos na indústria continuarão espremidos, pois boa parte dos insumos industriais provém da China e até de países desenvolvidos. Analistas já começam a cortar para 4% suas projeções do PIB indiano para este ano e o próximo, ainda alto para o padrão brasileiro, mas cerca de metade do que foi na euforia daquela economia de mais de 1 bilhão de pessoas.

Ed.264

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…