Indústria alemã e aço indicam desaceleração da economia global

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

A produção industrial alemã, com o ajuste de sazonalidade, recuou 4% em agosto com relação ao mês anterior. Foi a maior queda desde a crise financeira, quando caiu 6,9% em janeiro de 2009. Essa queda foi bem maior do que a expectativa de recuo de 1,5% do mercado. Os bens de investimento caíram 8,8% na comparação mensal. A produção da indústria automotiva recuou 25% em relação à julho. A economia alemã está perdendo força devido à franca atividade na zona do euro, principal destino das exportações germânicas, e também por causa do conflito entre a Rússia e o Ocidente, que tem deteriorado a confiança dos investidores. A economia da Alemanha teve um início de ano forte, mas encolheu 0,2% no segundo trimestre. Há evidências de que cresceu pouco no terceiro trimestre e há inclusive economistas que projetam nova contração.

As medidas tomadas pelo BCE ainda não conseguiram reanimar a economia da zona do euro. Mas não é somente a economia europeia que não reage. A Worldstill Association, entidade que reúne 170 produtores, representando mais de 85% da fabricação mundial de aço, reduziu sua projeção de crescimento de demanda de 3,1% para 2% este ano. Para 2015, a perspectiva é de crescimento de 2%. Para efeito de comparação, em 2013 o consumo mundial aumentou 3,8% em relação ao ano anterior. Para a China, que é a maior consumidora global de aço, a expectativa é de crescimento de apenas 0,8% para o próximo ano. Com o enfraquecimento da economia, o quadro do Brasil é mais grave. A entidade estima que o consumo aparente de aço deva cair 4,1% este ano e para 2015 projeta uma leve recuperação. A debilidade dos preços das commodities se generalizou, especialmente em minério de ferro e grãos. O cenário para 2015 não deve ser fácil para o setor externo brasileiro.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…