Indústria alemã e aço indicam desaceleração da economia global

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

A produção industrial alemã, com o ajuste de sazonalidade, recuou 4% em agosto com relação ao mês anterior. Foi a maior queda desde a crise financeira, quando caiu 6,9% em janeiro de 2009. Essa queda foi bem maior do que a expectativa de recuo de 1,5% do mercado. Os bens de investimento caíram 8,8% na comparação mensal. A produção da indústria automotiva recuou 25% em relação à julho. A economia alemã está perdendo força devido à franca atividade na zona do euro, principal destino das exportações germânicas, e também por causa do conflito entre a Rússia e o Ocidente, que tem deteriorado a confiança dos investidores. A economia da Alemanha teve um início de ano forte, mas encolheu 0,2% no segundo trimestre. Há evidências de que cresceu pouco no terceiro trimestre e há inclusive economistas que projetam nova contração.

As medidas tomadas pelo BCE ainda não conseguiram reanimar a economia da zona do euro. Mas não é somente a economia europeia que não reage. A Worldstill Association, entidade que reúne 170 produtores, representando mais de 85% da fabricação mundial de aço, reduziu sua projeção de crescimento de demanda de 3,1% para 2% este ano. Para 2015, a perspectiva é de crescimento de 2%. Para efeito de comparação, em 2013 o consumo mundial aumentou 3,8% em relação ao ano anterior. Para a China, que é a maior consumidora global de aço, a expectativa é de crescimento de apenas 0,8% para o próximo ano. Com o enfraquecimento da economia, o quadro do Brasil é mais grave. A entidade estima que o consumo aparente de aço deva cair 4,1% este ano e para 2015 projeta uma leve recuperação. A debilidade dos preços das commodities se generalizou, especialmente em minério de ferro e grãos. O cenário para 2015 não deve ser fácil para o setor externo brasileiro.

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…