Indústria e Comércio Exterior em declínio

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

Dados da Fundação IBGE e do MDIC dão conta de mais um recuo da indústria e do comércio exterior, respectivamente. Na balança comercial, o dado se refere ao encerramento de agosto, que só ficou positivo por conta de uma operação de “sale-lease back” de plataforma da Petrobras, no valor de US$ 1,1 bilhão. Com isso, o acumulado da balança está praticamente zerado no ano até agosto. Concorreram, para esse resultado fraco, as exportações em queda para nosso principal parceiro, a China, com queda significativa de 18%. O Brasil, cada vez mais dependente de soja e minério de ferro, teve recuo no desempenho principalmente deste último, mas toda a cadeia de commodities deve ser afetada negativamente até o final do ano. Se o “hiperciclo” de preços altos estiver no fim, como se antevê, o País dificilmente conseguirá retornar a valores positivos na balança comercial de 2015.

A indústria influiu no resultado do comércio exterior pela queda na demanda brasileira, confirmando a recessão de consumo interno e, especialmente, de investimentos. Este forte recuo está documentado em dois números impressionantes: queda de 7,3% na importação de máquinas frente a agosto de 2013, confirmando o recuo na produção brasileira de bens de capital em 5,3% no acumulado jan-jul 2014, sobre igual período de 2013. E um mergulho de 16% em importações brasileiras de automóveis neste agosto, confirmando os 17% de queda na produção interna acumulada até julho. O Brasil se aproxima de 2015 em situação que lembra o quadro complicado de 1998 e de 2002. Num desses casos (2002), deu alternância política; no outro (1998), não. Em ambos, o câmbio teve que sofrer um forte ajuste pós-eleitoral. O que há de diferente este ano é que, apesar da fraqueza do desempenho industrial e do comércio exterior, o Brasil pratica uma política de juros altos com ampla reserva cambial. Portanto, a falta de competitividade e o ambiente recessivo, por conta do real muito valorizado, tendem a persistir por bastante mais tempo.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…