Indústria perde velocidade e pode estagnar

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

A recuperação do setor industrial de transformação ficou em 2% em maio sobre o mesmo mês de 2012. Foi mais um soluço positivo do que propriamente uma recuperação sustentada. Os segmentos mais dinâmicos – bens duráveis de consumo e maquinas e equipamentos – não têm dado a contribuição que deles normalmente se espera numa retomada vigorosa. Há uma conjugação de novos fatores atuando para frear a recuperação. Além do ambiente político carregado, a sinalização de juros em alta e a pressão vinda dos custos de produção industrial se conjugam para deter o ritmo de compras à indústria. Embora o câmbio tenha potencial de melhorar a rentabilidade das exportações industriais, essa reação leva tempo e não afetará o desempenho de 2013.

O novo e mais importante fator a ser ponderado na demanda interna é o comportamento do consumidor, que vinha numa euforia permanente até os primeiros meses deste ano mas inverteu seu apetite de modo drástico em alguns segmentos, como se noticia no mercado de motos, por exemplo. As vendas caíram quase 12% neste primeiro semestre. O mercado de trabalho já começa a ser afetado e repercutirá nas vendas de shoppings e supermercados no segundo semestre. O risco de crédito dos financiamentos volta à cena como ingrediente importante na decisão de conceder financiamentos da indústria e comércio.

Ed.220

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…