Inflação à vista (e a prazo)

Por Yan Cattani e Bruna Martins, da equipe da Boa Vista SCPC

A apuração do resultado da inflação oficial (IPCA), divulgada hoje pelo IBGE, atingiu 7,70% em 12 meses. Na análise mensal, houve elevação de 1,22% em fevereiro de 2015, o maior aumento registrado para o mês desde 2003. O período, que já contava com sazonalidade desfavorável para a categoria de educação, sofreu elevação adicional decorrente do reajuste de preços administrados (gasolina e diesel, que tiveram aumento nas alíquotas do PIS/ Cofins).

Este foi o impacto mais nítido derivado das ações de ajuste fiscal iniciadas este ano. Já para março podemos esperar novo reajuste: as tarifas de energia elétrica. A alta estimada em mais de 20% deverá empurrar o nível de preços para um patamar ainda mais elevado, fazendo com que a inflação acumulada em 12 meses ultrapasse 8%. Ainda assim, o ajuste fiscal está longe de se consolidar. O impasse entre o Congresso Nacional e a presidência protelou a vigência de algumas medidas, programadas até então para ocorrerem já no primeiro semestre, fato que não deverá se concretizar.

Adicionalmente, o efeito pass-through do dólar também deve ser contabilizado. O fenômeno ocorre quando há uma elevação cambial de produtos e insumos importados. Como tais produtos ficam mais caros, seu preço final acaba sendo repassado ao consumidor. Isto é perpetuado até atingir a chamada “taxa de câmbio de equilíbrio”, valor considerado neutro por não favorecer nem prejudicar os importadores/exportadores do país.

Como o real andou muito tempo sobrevalorizado, os importadores obtiveram benefícios nos últimos 3 anos, enquanto os exportadores contraíram perdas consideráveis. A recente elevação da cotação do dólar está convergindo para a taxa de equilíbrio, atualmente estimada por algumas corretoras estrangeiras entre R$ 3,00 e R$ 3,20. Enquanto esta convergência não se completa e barreiras no Congresso são erguidas, um fato já é concreto: pressões inflacionárias estão por vir.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…