Investimento estrangeiro recua na China

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

O Banco Central chinês deverá injetar US$ 81 bilhões de liquidez nos cinco principais bancos chineses. A medida visa estimular o crescimento. O Banco Popular da China (PBOC) já havia anunciado um empréstimo de liquidez aos bancos a taxas de juros particularmente baixas, com o compromisso das instituições financeiras canalizarem esses fundos para o financiamento da economia.

Essa medida surge junto com a produção industrial em agosto desacelerando, com alta de 6,9%, a menor desde a crise de 2008. Soma-se a este dado a queda de 14% do investimento direto na China em agosto, o menor nível em quatro anos. Essa queda dos investimentos estrangeiros mostra a desconfiança externa na economia chinesa, em meio a uma série de ações antitruste contra multinacionais. A injeção de liquidez evidencia a determinação do governo para apoiar a economia, mesmo com estímulo de base ampla, que pode agravar o endividamento crescente do país. A meta de crescimento do PIB de 7,5% este ano está ameaçada pela crise imobiliária, fraca expansão industrial e investimento em ritmo moderado. Embora continue a crescer mais do que a maioria dos países no mundo, essa desaceleração no crescimento, pela dimensão da economia chinesa, tem impacto em todo mundo. O Brasil, grande fornecedor de commodities para China, deve ser afetado. Sobretudo o setor agroindustrial, que contribuiu enormemente para o saldo das nossas reservas internacionais.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…