Janet Yellen agrada os mercados, mas espalha dúvidas sobre os emergentes

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

A nova personagem de maior destaque na cena financeira mundial é Janet Yellen que, há duas semanas, comanda o FED, em substituição a Ben Bernanke. No seu primeiro depoimento ao Congresso americano, Yellen reforçou a linha do discurso gradualista adotada pelo antecessor quanto à redução do programa de compras de títulos que inunda o mundo de liquidez. Dos US$ 85 bi/mês de compras iniciais, o programa está em US$ 65 bi. Em março, pode cair a US$ 55 bi, o que ainda é uma inundação de recursos de estímulo ao mercado americano, cujo nível de criação de novos postos de trabalho ainda é desapontador frente ao tamanho do empurrão monetário que o estimula. Os mercados gostaram do anúncio de Yellen, como sinal de que podem continuar a sustentar suas apostas especulativas.

No mesmo dia, o FED circulou relatório em que os emergentes são avaliados quanto às desvalorizações cambiais que vêm sofrendo. Um “score” de vulnerabilidade feito pelo FED procura “explicar” porque alguns países, inclusive o Brasil, têm desvalorizado mais do que outros. O trabalho do FED contém equívocos evidentes. A intensidade da desvalorização cambial de um país num período de tempo não pode ser associada como sinal de sua vulnerabilidade. Pode decorrer, simplesmente, da intensidade da valorização do câmbio que precedeu à queda. Este é o caso do Brasil, cujo excesso de apreciação do real era mais do que evidente. Outro aspecto é a atitude de cada banco central local. Se este decidir não gastar reservas para defender sua moeda, ela se tornará mais competitiva e o BC queimará menos reservas. Caso do Brasil. Nada disso indica maior “vulnerabilidade”. Porém, ao usar este termo pejorativo, o FED tira o foco das dificuldades de ajustamento na sua própria economia, e muito mais na capenga Europa e no declinante Japão, e projeta dúvidas sobre os emergentes, entre eles o Brasil. Por esta razão e não outra, o ano de 2014 ainda promete mais incertezas e menos segurança de retomada.

Ed.363

Comentários

comentários

Posts relacionados

Boa Vista SCPC: inadimplência do consumidor paulistano caiu 4,3% no 1º trimestre

A inadimplência do consumidor na cidade de São Paulo teve queda de 4,3% no acumulado do ano (1º trimestre de 2017 contra o mesmo período do ano passado), de acordo com os dados da Boa Vista SCPC. Na comparação interanual (março-17 contra março-16), a inadimplência retraiu 8,4%. Contra o mês anterior (março-17 contra fevereiro-17) houve…

Demanda por Crédito do Consumidor cai 4,0% no 1º trimestre, segundo Boa Vista SCPC

Dados nacionais da Boa Vista SCPC apontam que a Demanda por Crédito do Consumidor caiu 4,0% no 1º trimestre de 2017 na comparação com o mesmo período do ano anterior. Já na avaliação dos valores acumulados em 12 meses (abril de 2016 até março de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 9,3%,…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,29% em março, segundo Boa Vista SCPC

No mesmo mês do ano anterior, o percentual foi de 2,59% 20 de abril 2017 – O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,29% em março, registrando diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,59%. O que representa menos cheques…