Juros Futuros Contrariam Políticas Creditícia e Fiscal Expansionistas

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

A piora do humor do mercado sobre os emergentes em geral pegou o governo no contrapé de sua política expansionista, creditícia e fiscal, com a qual pretendia estimular a recuperação do PIB fraco do ano passado. O mau humor externo se materializou em alta súbita do câmbio e revisão para cima da expectativa da inflação futura. O efeito foi duplo: queda da bolsa e subida íngreme dos juros futuros. Quanto maior o prazo dos juros no futuro, maior a pancada em termos de prejuízo. O título NTN-F de 2035 está pagando IPCA mais 5,85%, alta de 200 pontos na taxa, refletindo perda superior a 10% no preço do papel. Quando os juros sobem, os preços dos títulos caem, sinalizando aperto creditício.

O governo foi pego de surpresa. Na contramão, na mesma semana lançava uma linha bilionária de financiamento rápido para montar e decorar a casa dos mutuários do Minha Casa Minha Vida. Serão mais de R$3 bi para as classes C e D irem às compras. É medida interessante, porém no momento errado, quando os mercados sinalizam a necessidade de vários emergentes apertarem o cinto. Nas próximas semanas, haverá queda de braço entre o Bacen, que precisa sinalizar mais austeridade, e o governo, que ainda quer ver milhões de famílias indo às compras. A inflação dirá que política vence.

Ed.205

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…