Mais paciência, menos juros

A última reunião do Fed realizada em março deixou os agentes econômicos em dúvida sobre quando ocorreria a elevação dos juros básicos da economia americana. A sinalização foi a de que o aumento até poderia já acontecer em junho, mas a intensidade da alta deveria ser menor. No comunicado ao mercado, a presidente do Fed retirou do discurso as expressões que davam alguma segurança de que o banco central americano continuaria sendo ‘paciente’ antes de elevar os juros.

Mas de lá pra cá o cenário se modificou, e alguns dados econômicos decepcionantes foram divulgados sugerindo que a economia americana perdeu força no início de 2015. A ata do Fed divulgada ontem parece ter assimilado as mudanças e arrefeceu a possibilidade de aumento dos juros básicos já no primeiro semestre. Alguns analistas inclusive já trabalham com a possibilidade de que os aumentos somente ocorram em 2016.

A ata foi redigida em tom menos otimista destacando a valorização recente do dólar perante as demais moedas e seus efeitos sobre as exportações do país, uma das grandes impulsionadoras do crescimento da economia americana. O menor crescimento esperado aliado a números mais fracos no mercado de trabalho tendem a diminuir as pressões inflacionárias, reduzindo a necessidade de aumentos mais imediatos nas taxas de juros.

Para os mercados emergentes é uma boa notícia. A ata alimenta um maior apetite por risco dos investidores e traz alívios para as taxas de juros domésticas. Com a prorrogação, o Brasil ganha tempo para realizar os ajustes com mais tranquilidade. A manutenção das divisas internacionais possibilita certo afrouxamento para a política monetária e reduz as desvalorizações do cambio, um dos grandes pesadelos atuais para os altos níveis de inflação. Mais paciência na política monetária americana, menores expectativas de elevação de juros internos.

Comentários

comentários