Mãos atadas

Por Bruna Martins e Flávio Calife, da área de Indicadores e Estudos Econômicos da Boa Vista SCPC.

O Banco Central (BC) manteve o ciclo de aperto monetário ao elevar em 0,5 ponto percentual a taxa básica de juros, que atingiu 12,75% ao ano. O comunicado divulgado pelo Comitê de Política Monetária (Copom) não deu sinais sobre o futuro da política monetária, apenas declarou que a elevação deve-se ao cenário macroeconômico e às perspectivas para a inflação. O mais plausível é esperar por novas elevações da Selic, uma vez que as projeções para a inflação andam bem acima do teto da meta.

A alta do dólar e a instabilidade política sobre as medidas de austeridade também tendem a pressionar a manutenção do ciclo de elevação dos juros devido aos impactos sobre a inflação. Com a cotação do dólar próxima aos R$ 3,00, a desvalorização cambial chegou a 14,6% desde a última reunião do Copom (em janeiro deste ano). Depois da declaração feita pelo ministro da Fazenda de que o governo reduziria a intervenção no câmbio, as elevações do dólar foram sucessivas, e podem ser intensificadas se o BC não rolar o vencimento do swap cambial de abril.

Há também preocupação com o cumprimento da meta fiscal depois da devolução da MP 669 e suas consequências. Quanto mais restritiva a política fiscal, menores os esforços do BC para reduzir os preços, por isso os ajustes fiscais são esperados com tanta ansiedade.

O aumento da taxa básica de juros encarece a tomada de crédito e inibe os investimentos, reduzindo ainda mais a atividade econômica, que também será prejudicada pelos ajustes fiscais. São em momentos de crescimento econômico que políticas fiscal e monetária contracionistas costumam ser adotadas, não em momentos de recuo da atividade econômica. A atual situação da economia brasileira não nos deixa essa opção.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Demanda por Crédito do Consumidor cai 0,7% no 1º semestre, segundo Boa Vista SCPC

A Demanda por Crédito do Consumidor caiu 0,7% no 1º semestre de 2017, em comparação ao 1º semestre de 2016, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação interanual, junho apresentou estabilidade nos dados, enquanto nos valores acumulados em 12 meses (julho de 2016 até junho…

Movimento do Comércio cai 3,2% no 1º semestre, diz Boa Vista SCPC

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, caiu 3,2% no acumulado no ano (1º semestre de 2017 contra o mesmo período do ano passado), de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12…

47% dos consumidores inadimplentes estão muito endividados, revela pesquisa da Boa Vista SCPC

O nível de endividamento elevado (muito endividado) atinge 47% dos consumidores inadimplentes, ou seja, que estão com o “nome sujo”, de acordo com a pesquisa nacional Perfil do Consumidor Inadimplente, realizada pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com cerca de 1.500 respondentes. Em seguida, 26% se dizem mais ou menos endividados,…