Melhora confiança na zona do euro

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

O Tesouro Italiano colocou hoje € 6,5 bilhões em dívida de médio e longo prazo. A maturidade de 10 anos atingiu “yield” de 4,17%, taxa mais baixa desde outubro de 2010.  Também foram emitidas obrigações de cinco anos com “yield” a 2,94%, inferior aos 3,26% atingido em dezembro.  Esta semana a Itália já emitiu mais de € 20 bilhões em dívida.

O bom momento para a colocação dos títulos soberanos europeus é resultado da política de injeção de liquidez adotada pelos bancos centrais dos países ricos, sobretudo do Fed, BCE, Banco da Inglaterra e Banco do Japão. Aparentemente a melhoria nos mercados financeiros está começando a transmitir-se na confiança dos agentes econômicos, ainda que de forma lenta. O índice de confiança dos executivos e consumidores da zona do euro cresceu de 87,8 em dezembro para 89,2 em janeiro, segundo comunicado divulgado hoje pela Comissão Europeia. Ainda é cedo para sugerir que estamos perante uma recuperação real e vigorosa.

Ed.115

Comentários

comentários

Posts relacionados

Boa Vista SCPC reúne especialistas para debater avanços e benefícios econômicos do Cadastro Positivo

A Boa Vista SCPC recebeu autoridades como Oscar Madeddu, do Banco Mundial, João André Pereira, do Banco Central do Brasil e César Calomino, da Equifax do Uruguai, para falar sobre o Cadastro Positivo e os seus impactos econômicos e sociais, inclusive em países em desenvolvimento onde já é uma realidade. Estes convidados também salientaram a…

Recuperação de crédito cai 2,3% no acumulado 12 meses

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base da Boa Vista SCPC – apontou queda de 2,3% na variação acumulada em 12 meses (setembro de 2016 até agosto de 2017). A variação mensal com dados dessazonalizados apresentou aumento de 4,5% contra o mês…

Relatório de Crédito – jul/17

O Banco Central do Brasil (BCB) divulgou os dados de crédito referente a julho. A expansão das operações de crédito, até o momento, continua em ritmo moderado. O crescimento do saldo veio levemente abaixo do esperado, com redução na variação anual (caiu 1,6% em junho/17 contra diminuição de 1,7% em jul/17), atingindo R$ 3,1 trilhões,…