Mercado de ações nos EUA atinge marca da euforia pré-crise

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

As declarações amenizadoras de Bernanke, do FED, anteontem, desataram uma nova euforia sem precedentes nos aplicadores da Bolsa americana. O valor das empresas no índice S&P 500 atingiu a marca de US$ 15 trilhões, um recorde desde a virada para a crise em 2008. Apenas nesta última semana, noticia o FT, cerca de US$ 20 bi foram investidos em fundos de ações nos EUA, também um recorde desde 2008. Colaborou para o clima de euforia o anúncio recente de uma safra de grandes lucros pelo Goldman Sachs, JP Morgan e Morgan Stanley, três destacados sobreviventes da débâcle financeira americana. O medo de uma subida forte de taxas de juros nos EUA parece ter se dissipado por hora.

O paradoxo de toda essa euforia é que Bernanke veio ao Congresso para amenizar a interpretação de que o FED suspenderia já as compras de papéis que inundam o mercado de dinheiro, justamente com o argumento de enxergar que a recuperação americana ainda está “longe de ser satisfatória”. A bolsa comemora, portanto, uma notícia ruim – recuperação fraca nos EUA e desaceleração no resto do mundo. Aliás, mesmo nos EUA, uma notícia como a falência de Detroit, que acaba de pedir proteção falimentar ontem, seria outrora suficiente para detonar qualquer alta das bolsas. A RC Consultores antecipou essa possibilidade de falência no comentário do dia 06 de março de 2013. Acontece que vivemos o mundo da bolha monetária: quanto pior a situação, maior é a possibilidade de os bancos centrais emitirem dinheiro a rodo, que migra direto para mercados especulativos, como a bolsa, totalmente descolados das projeções de atividade econômica e emprego. Assim é a economia das bolhas.

Ed.230

Comentários

comentários

Posts relacionados

Inadimplência das empresas inicia 2017 com queda de 0,3%, diz a Boa Vista SCPC

A inadimplência das empresas em todo o país caiu 0,3% no 1º trimestre de 2017 quando comparada ao mesmo trimestre do ano anterior, de acordo com dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Depois de três anos consecutivos de alta do indicador na comparação interanual (1º tri de 2017 contra o…

Boa Vista SCPC: inadimplência do consumidor paulistano caiu 4,3% no 1º trimestre

A inadimplência do consumidor na cidade de São Paulo teve queda de 4,3% no acumulado do ano (1º trimestre de 2017 contra o mesmo período do ano passado), de acordo com os dados da Boa Vista SCPC. Na comparação interanual (março-17 contra março-16), a inadimplência retraiu 8,4%. Contra o mês anterior (março-17 contra fevereiro-17) houve…

Demanda por Crédito do Consumidor cai 4,0% no 1º trimestre, segundo Boa Vista SCPC

Dados nacionais da Boa Vista SCPC apontam que a Demanda por Crédito do Consumidor caiu 4,0% no 1º trimestre de 2017 na comparação com o mesmo período do ano anterior. Já na avaliação dos valores acumulados em 12 meses (abril de 2016 até março de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 9,3%,…