Mercado de ações nos EUA atinge marca da euforia pré-crise

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

As declarações amenizadoras de Bernanke, do FED, anteontem, desataram uma nova euforia sem precedentes nos aplicadores da Bolsa americana. O valor das empresas no índice S&P 500 atingiu a marca de US$ 15 trilhões, um recorde desde a virada para a crise em 2008. Apenas nesta última semana, noticia o FT, cerca de US$ 20 bi foram investidos em fundos de ações nos EUA, também um recorde desde 2008. Colaborou para o clima de euforia o anúncio recente de uma safra de grandes lucros pelo Goldman Sachs, JP Morgan e Morgan Stanley, três destacados sobreviventes da débâcle financeira americana. O medo de uma subida forte de taxas de juros nos EUA parece ter se dissipado por hora.

O paradoxo de toda essa euforia é que Bernanke veio ao Congresso para amenizar a interpretação de que o FED suspenderia já as compras de papéis que inundam o mercado de dinheiro, justamente com o argumento de enxergar que a recuperação americana ainda está “longe de ser satisfatória”. A bolsa comemora, portanto, uma notícia ruim – recuperação fraca nos EUA e desaceleração no resto do mundo. Aliás, mesmo nos EUA, uma notícia como a falência de Detroit, que acaba de pedir proteção falimentar ontem, seria outrora suficiente para detonar qualquer alta das bolsas. A RC Consultores antecipou essa possibilidade de falência no comentário do dia 06 de março de 2013. Acontece que vivemos o mundo da bolha monetária: quanto pior a situação, maior é a possibilidade de os bancos centrais emitirem dinheiro a rodo, que migra direto para mercados especulativos, como a bolsa, totalmente descolados das projeções de atividade econômica e emprego. Assim é a economia das bolhas.

Ed.230

Comentários

comentários

Posts relacionados

Número de novas empresas cai 3,8% no 2º trimestre

No 2º trimestre de 2017 o número de novas empresas caiu 3,8% em relação ao trimestre anterior, segundo levantamento da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com abrangência nacional. Assim, o resultado configura a primeira queda para esse trimestre desde o início da série histórica (2003). Ainda assim, os valores acumulados no…

Vendas para o dia dos pais recuam 0,5% em 2017

As vendas do comércio para o dia dos pais diminuíram 0,5% em 2017 quando comparadas a 2016, segundo dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). O recuo das vendas nesta data foi mais fraco do que o observado em 2016, quando o comércio retraiu 5,2% em relação ao mesmo período de…

Recuperação de crédito cai 1,7% no acumulado 12 meses

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base da Boa Vista SCPC – apontou queda de 1,7% na variação acumulada em 12 meses (agosto de 2016 até julho de 2017). A variação mensal com dados dessazonalizados apresentou queda de 6,4% contra o mês…