Mercado de trabalho na contramão

Por Yan Cattani, da área de Indicadores e Estudos Econômicos da Boa Vista SCPC

A divulgação de hoje da Pesquisa Mensal de Emprego (PME) do IBGE evidenciou um mercado de trabalho bastante aquecido em 2014: o nível de desocupação médio no ano foi de 4,8%, o menor desde o início da série (março de 2002), enquanto os rendimentos cresceram 0,6 p.p. acima da média histórica (2,1%). Como explicar um desempenho tão bom em um cenário econômico adverso?

De acordo com o especialista em políticas públicas, Naércio Menezes, a atual dinâmica de baixo desemprego e elevados ganhos reais pode ser explicada por fatores de oferta e demanda do mercado de trabalho. Pelo lado da oferta, desde 1990 houve considerável declínio da fecundidade em famílias mais pobres. Juntamente com o aumento da escolaridade desta parcela da população, os fatores contribuíram para elevar a renda familiar. Ademais, o salário mínimo mais do que dobrou no período, além de uma maior incorporação de renda real decorrente dos programas sociais.

Pelo lado da demanda, o aumento dos rendimentos reais e a crescente formalização dos postos de trabalho são fatores que acabaram por acomodar melhor a população desempregada na última década. Isto ocorre porque a maior renda e os benefícios de trabalho formal (seguro-desemprego, por exemplo) permitem ao trabalhador passar por períodos mais prolongados entre um emprego e outro (tempo muitas vezes que excede a contabilização das pesquisas de emprego, geralmente de um mês, diminuindo o desemprego contabilizado no cálculo). Além disso, a elevação dos ganhos possibilita que os jovens dessas famílias dediquem-se mais tempo aos estudos, diminuindo, portanto, a entrada de um importante número de pessoas na chamada população economicamente ativa.

Para este ano, a deterioração da economia e o chamado ajuste fiscal são fatores que deverão intensificar o aumento do desemprego. A piora da atividade diminui a oferta de empregos, enquanto as barreiras sobre diversos benefícios trabalhistas contribuem para um aumento do desemprego e queda dos rendimentos reais. Adicionalmente, a inflação, que deverá rondar próxima de 7% no ano, também colaborará para o aperto real dos ganhos. 2015 apenas começou, mas já dá claros sinais de que será um ano em que o trabalhador dificilmente terá muitos motivos para comemorar.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,5% em julho

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,5% em julho quando comparado a junho na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (agosto de 2016…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,90% em julho

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos), como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 1,90% em julho, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,31 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve alta frente ao mês anterior (em junho o…

PNAD: Rendimentos apresentam leve melhora no 2T17

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), os rendimentos reais dos trabalhadores apresentaram melhora em todas as regiões quando avaliadas os valores acumulados em 4 trimestres. A Região Nordeste registrou a primeira marcação positiva (1,6%), ao lado da região Sudeste (0,1%) e Centro Oeste (0,8%). Em relação ao mesmo período…