Modelo de alto investimento poderia fazer o PIB crescer 4,5%

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

Anunciada em cadeia nacional em 7 de setembro pela presidente Dilma Roussef, a redução média da tarifa de energia elétrica em 20% a partir de 2013 está ameaçada.  A Cemig já deixou fora da lista de prorrogações três hidrelétricas que somam 2,5 mil MW. A Cesp já informou que vai contestar as novas tarifas e a indenização oferecida pela União pelo investimento não amortizado em suas usinas. Se a Cesp não renovar as concessões das usinas de Ilha Solteira, Três Irmãos e Jupiá,  poderá subtrair mais 5,8 mil MW de potência. Com isso, e considerando pequenas hidrelétricas fora da lista do governo, o universo das renovações na geração de energia cairia de 25,5mil MW para 16,8 mil MW, o que significa que um terço da capacidade prevista não teria concessão renovada.

Também, há mais de seis meses, o governo diz que vai anunciar um pacote para o setor portuário, mas sempre adiado.

Ambas as medidas são de grande importância para aumentar nossa competitividade. O governo sabe disso, mas talvez a maneira de fazer deva ser repensada.  Sem prejuízo do aumento do consumo privado, seria possível trocar o atual modelo de alto consumo para alto investimento, fazendo o crescimento subir para 4,5% ou até 5%, se um conjunto adequado de incentivos fosse empregado para mobilizar a poupança financeira interna. Para apressar o passo dos investimentos privados, um ataque ao complicado sistema tributário seria um primeiro passo.

Ed.67

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…