Modelo de alto investimento poderia fazer o PIB crescer 4,5%

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

Anunciada em cadeia nacional em 7 de setembro pela presidente Dilma Roussef, a redução média da tarifa de energia elétrica em 20% a partir de 2013 está ameaçada.  A Cemig já deixou fora da lista de prorrogações três hidrelétricas que somam 2,5 mil MW. A Cesp já informou que vai contestar as novas tarifas e a indenização oferecida pela União pelo investimento não amortizado em suas usinas. Se a Cesp não renovar as concessões das usinas de Ilha Solteira, Três Irmãos e Jupiá,  poderá subtrair mais 5,8 mil MW de potência. Com isso, e considerando pequenas hidrelétricas fora da lista do governo, o universo das renovações na geração de energia cairia de 25,5mil MW para 16,8 mil MW, o que significa que um terço da capacidade prevista não teria concessão renovada.

Também, há mais de seis meses, o governo diz que vai anunciar um pacote para o setor portuário, mas sempre adiado.

Ambas as medidas são de grande importância para aumentar nossa competitividade. O governo sabe disso, mas talvez a maneira de fazer deva ser repensada.  Sem prejuízo do aumento do consumo privado, seria possível trocar o atual modelo de alto consumo para alto investimento, fazendo o crescimento subir para 4,5% ou até 5%, se um conjunto adequado de incentivos fosse empregado para mobilizar a poupança financeira interna. Para apressar o passo dos investimentos privados, um ataque ao complicado sistema tributário seria um primeiro passo.

Ed.67

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…