“Nova política econômica” ainda indefinida

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

O primeiro pregão depois da reeleição da presidente Dilma fechou com queda de 2,56%, a mínima do dia chegou a ser de 6%. O dólar encerrou o dia cotado a R$ 2,53. Na abertura dos mercados as duas principais estatais chegaram a cair 15%, a maior queda desde 2008. Hoje a bolsa brasileira abriu com alta de 2% e o dólar cotado a R$ 2,49, com queda de 1,05%. O ajuste de segunda já era aguardado pelo mercado e, como indica a abertura hoje, fortes reajustes da continuidade da alta do dólar e queda da bolsa não devem prosseguir. Isso não significa, porém, que os próximos dias serão de calmaria.

A expectativa é de grande volatilidade dos mercados, até que o governo dê alguma sinalização de como e o que pretende fazer para reorganizar a economia. O programa de governo e os últimos discursos da presidente não trazem sinais de como será a “nova política econômica”. Tudo indica que o câmbio flutuante administrado garantirá uma gradual desvalorização, alguns preços monitorados terão ajustes mais lentos, a política industrial se manterá a mesma, com a ampliação do repasse de recursos subsidiados via BNDES, e as desonerações tributárias serão apenas pontuais. A participação do Estado na economia deverá ser mantida e a política de estímulo ao consumo não deverá ser alterada. No final do dia, haverá pouco espaço para um necessário ajuste fiscal. E esse ajuste, se vier, será feito, como atualmente, mais por meio de aumento de impostos do que por corte de gastos. Para o próximo ano, o risco de rebaixamento do rating soberano não é baixo, embora a perda de grau de investimento ainda não esteja no radar. Para começar, será preciso conhecer o nome do novo Ministro da Fazenda.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…