Novas manobras contábeis acentuam desconfiança na gestão fiscal

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

Fontes de Brasília noticiam intenção do governo de tentar cobrir o déficit projetado na Reserva Geral de Reversão – RGR – e na Conta de Desenvolvimento Energético – CDE, que são fundos especiais do governo federal para o setor elétrico. O primeiro ajuda a pagar a conta das usinas de geração térmica, que funcionaram a pleno no primeiro semestre e, por isso, pressionaram o caixa da RGR. O governo contava com essa reserva para financiar a redução na conta de luz anunciada por Dilma. Mas a compensação às distribuidoras de energia foi maior do que o governo projetara e, agora, os recursos para manter a redução nas tarifas pesarão no Tesouro. Nisso, vem a manobra financeira ora cogitada: a RGR/CDE tomaria empréstimo junto a banco público, prometendo devolver o recurso em outro exercício fiscal. Na prática, o Tesouro, ou seja, nós contribuintes, pagaremos em conjunto a redução na conta de luz dos usuários. Só que a conta bilionária ficaria para orçamentos futuros. Com juros, é obvio.

Esta não é a maior dor de cabeça financeira do Ministro da Fazenda. Seriam algo com R$10 bi por ano, em si significativo, mas longe de se comparar aos mais de R$200 bi dos encargos de dívida pública. Só que a nova manobra de fazer a RGR/CDE pedirem dinheiro emprestado junto a bancos acentua o aspecto de improvisação na gestão fiscal do governo. Aumenta a sensação de desconfiança dos mercados, especialmente no setor elétrico, que já confiou bastante mais nas regras estabelecidas. Os investimentos das concessionárias estagnaram, enquanto aumenta a dependência de térmicas queimando gás e carvão a todo vapor. Queimam, paralelamente, recursos da RGR, o que pressiona ainda mais esse fundo rumo ao déficit bilionário. Essa conta acaba nos impostos, desfazendo a bondade que o governo pretendera fazer ao baixar as contas de luz, estimulando o consumo do que é escasso.

Ed.243

Comentários

comentários

Posts relacionados

Percentual de cheques devolvidos atingiu 2,06% em fevereiro, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados atingiu 2,06% em fevereiro, registrando diminuição em relação a fevereiro de 2016, quando alcançou 2,22%. O percentual de cheques devolvidos sobre movimentados também recuou na comparação mensal (em janeiro o nível foi de 2,07%), sendo o resultado…

Boa Vista SCPC: Demanda por Crédito do Consumidor cai 4,0% em fevereiro

A Demanda por Crédito do Consumidor caiu 4,0% em fevereiro, na avaliação dessazonalizada contra janeiro, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Contudo, na avaliação dos valores acumulados em 12 meses (março de 2016 até fevereiro de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 9,5%,…

Movimento do Comércio cai 1,0% em fevereiro, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), apontam que o Movimento do Comércio caiu 1,0% em fevereiro, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (março de 2016 até fevereiro de 2017) houve queda de 3,8% frente aos 12 meses antecedentes. Já na…