“Novo câmbio” produz uma “nova política” para 2014

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

Com o anúncio de uma intervenção sistemática da ordem de US$500 milhões por dia (4 vezes por semana) e desembolso estimado em cerca de US$50 bi até o final do ano, o BC brasileiro disparou suas “salvas” iniciais de artilharia pesada na guerra interna pelo resgate do controle cambial, mas sempre preocupado em não produzir mais “mortos” entre os bancos especuladores que se aventuram na ponta contrária. Nossa avaliação é que os capitais que não emigraram até agora, ao nível de R$2,40 por dólar, devem perder a pressa de fazê-lo. De fato, há um “novo câmbio”, como se diz do novo patamar da cotação: já não são R$2,00, muito menos R$ 1,80 (lembram-se que isso era consenso?). Contudo, o modelo cambial RC, que tem oferecido boas previsões sobre câmbio futuro, recusa-se a endossar os afoitos e suas previsões em torno ou até acima de R$2,50. Este seria o câmbio de equilíbrio se o País estivesse premido a gerar dólares para fechar os contratos de importação de amanhã. Não é o caso.

O novo patamar de câmbio gerou uma “nova política”, ao provocar o fim do longo ciclo de euforia da economia brasileira, que vem desde 2003. Isso, sim, é definitivo. Primeiro, por haver alterado para baixo as expectativas para 2014 sobre nível de atividade e investimentos. Segundo, por haver projetado para cima as expectativas de desconforto inflacionário, não tanto por aumento do nível da inflação quanto pelo impacto de futuras correções sensíveis, como combustíveis e de preços de produtos industriais, movidos pelo “novo câmbio”. Sempre que tal ocorreu, em 2002, por exemplo, houve troca da guarda, isto é, mudança da orientação política da sociedade, refletida nas urnas. O governo já sabe que 2013 se perdeu, mas ainda não realizou que 2014 será, no máximo, um empate. Crescem muito as chances de qualquer oposição, nacional ou estadual, mormente se vier trazendo novidade no discurso. E pouco importa as posições atuais nas prévias, ainda muito distantes do fato eleitoral de 2014.

Ed.255

Comentários

comentários

Posts relacionados

Inadimplência das empresas inicia 2017 com queda de 0,3%, diz a Boa Vista SCPC

A inadimplência das empresas em todo o país caiu 0,3% no 1º trimestre de 2017 quando comparada ao mesmo trimestre do ano anterior, de acordo com dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Depois de três anos consecutivos de alta do indicador na comparação interanual (1º tri de 2017 contra o…

Boa Vista SCPC: inadimplência do consumidor paulistano caiu 4,3% no 1º trimestre

A inadimplência do consumidor na cidade de São Paulo teve queda de 4,3% no acumulado do ano (1º trimestre de 2017 contra o mesmo período do ano passado), de acordo com os dados da Boa Vista SCPC. Na comparação interanual (março-17 contra março-16), a inadimplência retraiu 8,4%. Contra o mês anterior (março-17 contra fevereiro-17) houve…

Demanda por Crédito do Consumidor cai 4,0% no 1º trimestre, segundo Boa Vista SCPC

Dados nacionais da Boa Vista SCPC apontam que a Demanda por Crédito do Consumidor caiu 4,0% no 1º trimestre de 2017 na comparação com o mesmo período do ano anterior. Já na avaliação dos valores acumulados em 12 meses (abril de 2016 até março de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 9,3%,…