Novo recorde, novas projeções?

A caderneta de poupança registrou um novo recorde de retirada em abril. De acordo com os dados divulgados pelo Banco Central, este mês foi o pior abril da série histórica (iniciada em 1995), quando os saques superaram os depósitos em R$ 5,850 bilhões. O primeiro quadrimestre do ano também foi o pior desde o início da série, ao acumular um saldo negativo de R$ 29,081 bilhões. Estes sucessivos recordes podem ser explicados por dois fatores principais.

A inflação segue tendência de alta sem nenhum sinal de mudança, pelo contrário. O resultado do IPCA referente a abril foi de 8,17% em 12 meses, mostrando elevação de 0,04 p.p. em relação ao mês anterior. Se não bastasse a alta dos preços, o mercado de trabalho vem desaquecendo. Mais pessoas estão procurando emprego, a taxa de desocupação aumenta, enquanto o crescimento do rendimento real habitual segue em desaceleração. Com o orçamento mais apertado, as famílias recorrem aos recursos da poupança para pagar suas contas mensais.

Outra explicação é a atual política monetária restritiva. Com o aumento da taxa básica de juros, que já atinge 13,25%, a caderneta de poupança perde sua atratividade, uma vez que outros investimentos oferecem uma rentabilidade bem superior.

Os recursos da poupança são o principal lastro para o financiamento imobiliário, e com a queda desse montante, provavelmente haverá uma forte desaceleração dessa categoria de crédito, uma vez que outros meios de captação dos financiadores não crescerão a ponto de atender a demanda. Com a menor expansão desse crédito direcionado, atual pilar da expansão do saldo de crédito total, as projeções para o crescimento do crédito no ano devem ser revisadas.

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…