Novos blocos regionais de comércio ameaçam exportações brasileiras

Por Marcel Caparoz, da RC Consultores

Esta semana ocorre em Bali mais uma rodada de negociação da OMC para tentar emplacar o que seria o primeiro acordo comercial global em quase 20 anos. Como era de se esperar, a dificuldade de um entendimento entre os países é muito grande. A Índia, com a prerrogativa de defesa do seu programa de segurança alimentar, endureceu ainda mais as negociações, sendo seguida por outros países da África e da América Latina, como Argentina e Venezuela. O resultado do encontro deverá ser conhecido até o próximo final de semana, mas seja qual for, terá implicações decisivas sobre o futuro do comércio internacional.

No entanto, o que tem chamado a atenção é o grande empenho dos países participantes em viabilizar acordos bilaterais de comércio. A formação de grandes blocos regionais de comércio, como, por exemplo, a TPP (Parceria TransPacífica) entre EUA, Japão e mais dez países poderá limitar ainda mais o mercado externo dos produtos brasileiros. Enquanto o mundo se move na direção de novos acordos e oportunidades de negócio, o Brasil se mantém paralisado. O Mercosul, que deveria ser um facilitador para o comércio brasileiro, tem se tornando cada vez mais um complicador. Um novo acordo de liberalização comercial entre União Europeia e Mercosul está na mesa, mas as chances de sucesso ainda são baixas. Chegou a hora do Brasil definir suas prioridades no cenário internacional e, mais importante ainda, exercê-las.

Ed.327

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…