Nuvens no horizonte

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

O último relatório do BIS, Bank of International Settlements, aponta que os empréstimos dos bancos internacionais para o Brasil caíram de US$ 7,2 bilhões no primeiro trimestre para US$ 3,1 bilhões no segundo trimestre. Enquanto o fluxo de empréstimos para o Brasil diminuiu, houve aumento para outros países emergentes. Para a Índia o fluxo teve um acréscimo de US$ 3,2 bilhões. A Coréia viu seu fluxo de empréstimos evoluírem de US$ 2,8 bilhões no primeiro trimestre para US$ 13,3 bilhões no segundo. A Rússia, por outro lado, viu seu fluxo de créditos bancários ser cortado em US$ 6 bilhões no segundo semestre.

A redução de fluxos de empréstimos externos não trará grande impacto para o Brasil em 2014. No entanto, é certo o aumento dos riscos no mercado global. A conjuntura externa vai agravar-se. Comecemos pelos mercados financeiros. Gradualmente, as bolsas da Europa parecem seguir na direção de realização de lucros e até nos EUA se começa a vislumbrar alguma fragilidade. Mas também no mercado monetário são visíveis os primeiros sinais de stress. É o caso da divergência registrada entre o comportamento das emissões de dívida soberana da Alemanha, cujas taxas implícitas continuam a diminuir, e as dívidas soberanas dos países periféricos – da Grécia, de Portugal, da Espanha e, cada vez mais, da Itália – cujas taxas implícitas têm subido. O mesmo tipo de divergência observa-se também no segmento corporativo, com o aumento do prêmio de risco associado ao chamado ‘high yield’ face às emissões com notação de ‘investment grade’. O Brasil não deve ignorar os sinais de redução da liquidez e da oferta de empréstimo no mercado global. Nossas contas correntes do balanço de pagamentos são deficitárias em US$ 80 bilhões anuais e as estimativas de exportações para os anos seguintes são bem menos favoráveis do que foram até agora. Alerta amarelo também para as empresas devedoras em moeda estrangeira.

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…