O eufemismo do COPOM

Por Yan Cattani

Quando algum analista de mercado aponta que “a demanda agregada continuará a se apresentar moderada no horizonte relevante para a política monetária”, a interpretação que nos vem à mente é que, diante do atual cenário, nada deverá melhorar em termos de atividade econômica, tampouco piorar.

No entanto, quando esta mesma afirmação parte do principal documento de sinalização econômica do país, a Ata do COPOM (Comitê de Política Monetária do Banco Central), o sinal amarelo acende. Não porque o cenário analisado pela autoridade monetária seja fantasioso, ou mesmo que suas projeções sejam otimistas demais, mas é que não faz parte do papel do Banco Central fazer alarde para qualquer tipo de rumo que a economia está tomando. Sua cautela, antes de tudo, deve-se à sinalização emitida e a consequente interpretação dos agentes de mercado.

De fato, no último trimestre de 2015 o principal elemento da demanda agregada, o consumo das famílias, encontrava-se em vertiginosa queda. E para piorar, este cenário parece longe de ser revertido: um dos primeiros dados de atividade econômica, da Pesquisa Mensal do Comércio divulgada pelo IBGE, mostra que o varejo em janeiro continuou intensificando sua queda na avaliação dos resultados acumulados em 12 meses, já atingindo 5,2%.

Por ora, o BC conta com “as hipóteses de manutenção da taxa de câmbio em R$3,95/US$ e da taxa Selic em 14,25% ao ano (a.a.) em todo o horizonte relevante”. Caso ocorra um alívio inflacionário derivado da valorização cambial, em um cenário de retração econômica, a manutenção dos juros em 14,25% torna-se desnecessária, abrindo espaço para uma diminuição da Selic.

Comentários

comentários

Posts relacionados

47% dos consumidores inadimplentes estão muito endividados, revela pesquisa da Boa Vista SCPC

O nível de endividamento elevado (muito endividado) atinge 47% dos consumidores inadimplentes, ou seja, que estão com o “nome sujo”, de acordo com a pesquisa nacional Perfil do Consumidor Inadimplente, realizada pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com cerca de 1.500 respondentes. Em seguida, 26% se dizem mais ou menos endividados,…

Boa Vista SCPC: recuperação de crédito cai 1,1% no semestre

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base da Boa Vista SCPC – apontou queda de 1,1% no 1º semestre do ano quando comparado ao mesmo período do ano anterior. Na variação acumulada em 12 meses (julho de 2016 até junho de 2017)…

Inadimplência do consumidor cai 0,8% no 1º semestre, diz Boa Vista SCPC

A inadimplência do consumidor caiu 0,8% no 1º semestre de 2017, na comparação com o 1º semestre de 2016, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (julho de 2016 até junho de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 3,1%. Na avaliação mensal dessazonalizada, a…