OGX: começa a via crucis dos credores

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

A morte longamente anunciada ocorreu ontem: a OGX entrou com pedido de recuperação judicial na Justiça do Rio de Janeiro. Sérgio Bermudes, experiente concursista, será o advogado da empresa postulante. O procedimento se inicia com o levantamento da dívida integral, algo que ainda se desconhece no detalhe, embora tenha sido publicado o valor de R$ 11,2 bilhões, dos quais aproximadamente 60% seriam devidos aos credores no exterior, o que complica o andamento do processo. Uma vez apresentada a proposta de renegociação, esta deverá ser submetida a um comitê de credores. O juiz também deverá decidir se a empresa continuará a ser administrada pelos atuais controladores. Nesse meio tempo, pode se imaginar o grau de deterioração operacional a ser incorrido pela postulante à recuperação. A cada dia que passa, as chances de reposição dos valores diminuem.

Há complicações nesta recuperação que poderão conduzir a impasses sufocantes. Um deles é a possibilidade de perda das concessões ainda detidas pela petroleira. Em caso de decretação de falência, as concessões serão perdidas. A OGX busca compelir a Petronas, petroleira malaia, que chegou a se aproximar do grupo com vistas a desenvolver a produção do campo de Tubarão Martelo, com o objetivo de fazer esta última desembolsar recursos supostamente prometidos para tal exploração. Óbvio que este caminho se afigura o pior possível. A Petronas se defenderá e, quanto mais compelida, mais se afastará do imbróglio. No cenário mais provável, os minoritários perderão maciçamente, ainda que lutando por direitos, tanto na Justiça como perante a CVM. Os credores, para recuperar alguma coisa, dependem da continuidade do negócio, cuja evolução dependeria de um novo administrador prontamente nomeado, o que não deve acontecer. A imagem empresarial e institucional do Brasil sai mais do que arranhada. O País permitiu que o governo “elegesse” Eike como seu totem empresarial e, agora, temos um ídolo caído. Por meio da contribuição das empresas X, o Brasil finalmente entrou na crise de 2008. Este episódio será lembrado como nosso Lehman Brothers.

Ed.304

Comentários

comentários

Posts relacionados

Número de novas empresas aumentou 6,6% no 1º trimestre de 2017, segundo Boa Vista SCPC

No 1º trimestre de 2017 o número de novas empresas cresceu 6,6% em relação ao mesmo período de 2016 (análise interanual), segundo levantamento da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com abrangência nacional. Em relação ao 4º trimestre de 2016 houve aumento de 29,2%. Forma jurídica Na análise por classificação de forma…

Inadimplência das empresas inicia 2017 com queda de 0,3%, diz a Boa Vista SCPC

A inadimplência das empresas em todo o país caiu 0,3% no 1º trimestre de 2017 quando comparada ao mesmo trimestre do ano anterior, de acordo com dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Depois de três anos consecutivos de alta do indicador na comparação interanual (1º tri de 2017 contra o…

Boa Vista SCPC: inadimplência do consumidor paulistano caiu 4,3% no 1º trimestre

A inadimplência do consumidor na cidade de São Paulo teve queda de 4,3% no acumulado do ano (1º trimestre de 2017 contra o mesmo período do ano passado), de acordo com os dados da Boa Vista SCPC. Na comparação interanual (março-17 contra março-16), a inadimplência retraiu 8,4%. Contra o mês anterior (março-17 contra fevereiro-17) houve…