OMC ressuscita com milagre da negociação diplomática brasileira

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

No meio de tantas notícias econômicas negativas, o Brasil se saiu bem na liderança de uma grande negociação diplomática na Organização Mundial do Comércio (OMC), que reuniu mais de 140 países em Bali, e conseguiu aprovar a Rodada de Bali. O autor da proeza é o embaixador Roberto Azevêdo, recém-nomeado Diretor Geral da OMC, lembrando o desempenho solitário de Ayrton Senna, ao conduzir a reunião para uma conclusão inesperada, com maestria e serenidade, contra todos os prognósticos desfavoráveis. O Brasil tem a sorte, não habitual, de deixar brilhar algum expoente de sua cidadania. É o caso do embaixador Azevêdo, por sua extrema habilidade de haver contornado os mais delicados e difíceis obstáculos, a fim de alinhar interesses quase inconciliáveis entre emergentes e países maduros.

Ainda vai demorar até que os países ratifiquem o Tratado em seus congressos. Mas o Acordo já aponta ganhos importantes no desembaraço mais rápido de mercadorias, especialmente os perecíveis agrícolas, reduzindo tempo e papelada nos procedimentos alfandegários. Há também cláusulas que controlam melhor a formação de estoques especulativos de alimentos e outros, a título de segurança alimentar ou motivos diversos. Mas o principal triunfo da Rodada de Bali é haver dado sobrevida à própria OMC. Este resultado a favor da Organização como efetivo fórum do comércio mundial é o que a economia global precisava para continuar remando na direção de favorecer e fomentar as trocas entre todos os países. A diplomacia brasileira marca um gol de placa e o Brasil dá mais um passo na direção de se firmar como nação politicamente confiável. O risco político do Brasil, visto de hoje, parece exagerado.

Ed.329

Comentários

comentários

Posts relacionados

Número de novas empresas cai 3,8% no 2º trimestre

No 2º trimestre de 2017 o número de novas empresas caiu 3,8% em relação ao trimestre anterior, segundo levantamento da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com abrangência nacional. Assim, o resultado configura a primeira queda para esse trimestre desde o início da série histórica (2003). Ainda assim, os valores acumulados no…

Vendas para o dia dos pais recuam 0,5% em 2017

As vendas do comércio para o dia dos pais diminuíram 0,5% em 2017 quando comparadas a 2016, segundo dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). O recuo das vendas nesta data foi mais fraco do que o observado em 2016, quando o comércio retraiu 5,2% em relação ao mesmo período de…

Recuperação de crédito cai 1,7% no acumulado 12 meses

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base da Boa Vista SCPC – apontou queda de 1,7% na variação acumulada em 12 meses (agosto de 2016 até julho de 2017). A variação mensal com dados dessazonalizados apresentou queda de 6,4% contra o mês…