Os dois lados do crédito

Que o cenário macroeconômico não está bom, já é sabido. Mas os impactos são diferentes no cotidiano das empresas e das famílias. E aparentemente as empresas estão sofrendo mais quando se refere ao mercado de crédito. Os resultados da Nota de Política Monetária e Creditícia do Banco Central, referente a julho de 2015, mostraram que o saldo de crédito total foi impulsionado pelo aumento dos recursos livres destinados às famílias (de 0,4% no mês), enquanto as empresas frearam seus empréstimos (em -0,5% também no saldo livre).

A elevação do crédito puxado pelos consumidores pode ser considerada como pontual. Um dos possíveis fatores que permitiram essa maior contratação de empréstimos é a baixa inadimplência para a categoria, 0,3p.p. inferior ao registrado em julho de 2014. Além disso, o caráter esporádico deste crédito pode ser explicado pela atual conjuntura macroeconômica: com o aumento da taxa de desemprego e dos juros, além da elevada taxa de inflação, os orçamentos das famílias ficaram mais apertados, que acabam, portanto, priorizando o pagamento de contas essenciais, fato que leva muitas vezes pessoas a contratarem empréstimos emergenciais.

Contudo, no longo prazo, o que ainda prevalece é a redução ou postergação de consumo de bens duráveis, ocasionando como efeito último uma redução de novos empréstimos do crédito. O crescimento interanual do estoque total na economia em termos reais já apresenta recuo de 4,4%, reforçando os números apresentados pelo indicador de Demanda por Crédito da Boa Vista SCPC – que registrou variação de -10,5% em 12 meses.

As empresas, por sua vez, estão estranguladas com a fraca atividade econômica. Com a receita cada vez menor, os empresários encontram dificuldade em adquirir crédito para gerar caixa e para honrar suas dívidas. A inadimplência das empresas aumentou 0,6p.p. em 12 meses, totalmente na contramão do observado para as pessoas físicas, o que preocupa o concedente. De um lado, as famílias demandando apenas o crédito necessário para pagar suas contas, do outro, as empresas procurando algum concedente que esteja disposto a arriscar.

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…