Os dois lados do crédito

Que o cenário macroeconômico não está bom, já é sabido. Mas os impactos são diferentes no cotidiano das empresas e das famílias. E aparentemente as empresas estão sofrendo mais quando se refere ao mercado de crédito. Os resultados da Nota de Política Monetária e Creditícia do Banco Central, referente a julho de 2015, mostraram que o saldo de crédito total foi impulsionado pelo aumento dos recursos livres destinados às famílias (de 0,4% no mês), enquanto as empresas frearam seus empréstimos (em -0,5% também no saldo livre).

A elevação do crédito puxado pelos consumidores pode ser considerada como pontual. Um dos possíveis fatores que permitiram essa maior contratação de empréstimos é a baixa inadimplência para a categoria, 0,3p.p. inferior ao registrado em julho de 2014. Além disso, o caráter esporádico deste crédito pode ser explicado pela atual conjuntura macroeconômica: com o aumento da taxa de desemprego e dos juros, além da elevada taxa de inflação, os orçamentos das famílias ficaram mais apertados, que acabam, portanto, priorizando o pagamento de contas essenciais, fato que leva muitas vezes pessoas a contratarem empréstimos emergenciais.

Contudo, no longo prazo, o que ainda prevalece é a redução ou postergação de consumo de bens duráveis, ocasionando como efeito último uma redução de novos empréstimos do crédito. O crescimento interanual do estoque total na economia em termos reais já apresenta recuo de 4,4%, reforçando os números apresentados pelo indicador de Demanda por Crédito da Boa Vista SCPC – que registrou variação de -10,5% em 12 meses.

As empresas, por sua vez, estão estranguladas com a fraca atividade econômica. Com a receita cada vez menor, os empresários encontram dificuldade em adquirir crédito para gerar caixa e para honrar suas dívidas. A inadimplência das empresas aumentou 0,6p.p. em 12 meses, totalmente na contramão do observado para as pessoas físicas, o que preocupa o concedente. De um lado, as famílias demandando apenas o crédito necessário para pagar suas contas, do outro, as empresas procurando algum concedente que esteja disposto a arriscar.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Boa Vista SCPC: Demanda por Crédito do Consumidor sobe 1,4% em janeiro

Contudo, na avaliação dos valores acumulados em 12 meses houve queda de 9,2% A Demanda por Crédito do Consumidor, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), aumentou 1,4% em janeiro, na avaliação dessazonalizada contra dezembro. Porém, na avaliação dos valores acumulados em 12 meses (fevereiro de 2016…

Boa Vista SCPC: recuperação de crédito sobe 3,0% em janeiro

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base do crédito– apontou elevação de 3,0% na análise mensal contra dezembro, descontados os efeitos sazonais. Já na variação acumulada em 12 meses apresentou alta de 2,7%, enquanto na análise interanual (mesmo mês de 2016) houve…

81% dos consumidores esperam que em 2017 a relação entre recebimento e gastos melhore, segundo Boa Vista SCPC

A maioria dos entrevistados (81%) na Pesquisa Perfil do Inadimplente, da Boa Vista SCPC, espera que em 2017 a relação entre recebimentos e gastos esteja melhor do que a existente no 4º trimestre de 2016, período no qual o levantamento foi elaborado contendo a participação de consumidores de todo o país. Em dezembro de 2015,…