Ouro se desmancha com menor ritmo chinês

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

Faz uma década que os preços de commodities apresentam alta sem precedentes. O ouro puxou esse movimento especulativo, multiplicando seu valor em dólares num múltiplo de cinco vezes. O petróleo chegou a triplicar de preço. Variadas commodities minerais e agrícolas duplicaram ou triplicaram seus preços. A novidade do mercado é o recuo, primeiro tímido, no ano passado, e agora acentuado, da cotação do ouro. O metal abriu hoje em queda de 5%, trazendo outros metais, como prata, a recuar 10% num pregão. Vários analistas de bancos mudaram rapidamente de opinião, de altista para baixista, nas últimas semanas. O ouro atingiu sua máxima em setembro de 2011, de US$ 1920 por onça. Desde então, teve quedas em patamares até embicar para os US$ 1384 de hoje.

Os comprados no metal esperavam ver os efeitos do aumento dramático da liquidez monetária se perpetuarem em altas sucessivas de preços de commodities. O momento está se mostrando mais deflacionário. Desapontamento com o PIB chinês, que “só” cresceu 7,7% no primeiro trimestre deste ano sobre o igual período de 2012, é apontado como motivo do derretimento dos preços de ouro, petróleo etc. As moedas de países exportadores também começam a sentir. De fato, a menor velocidade de circulação da moeda predomina sobre os efeitos inflacionários das crescentes emissões. Para o Brasil, pode significar uma queda surpreendente na receita de commodities, pelo recuo de preços, caso a deflação do ouro se alastre. Sinal de alerta ligado para os agricultores brasileiros. Menor ênfase, contudo, para a inflação interna.

Ed.164

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…