Para BC inflação na meta só em 2016

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

A ata da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central divulgada ontem apontou que a meta de 4,5% para a inflação só será atingida em 2016. O Copom sinaliza que não há intenção, no curto prazo, de mudar a estratégia da política monetária. A palavra “resistência”, que era usada pelo Comitê desde janeiro como parte das justificativas para o aumento dos juros, foi suprimida. Agora o Banco Central avalia que a inflação continua elevada, mas não mostra mais “resistência”.

O BACEN acredita que a fraca atividade da economia ajuda a reduzir a força da inflação. Neste cenário, é provável que a taxa Selic de 11% seja mantida por um período longo de tempo. De fato, a elevação da taxa de juros para segurar a inflação de demanda disparada pela política do governo de incentivo ao consumo já cumpriu, em grande parte, sua missão. As despesas do governo, fora de controle, estas sim, continuam pressionando a demanda. Os juros altos não controlam gastos públicos nem o excesso da demanda pelo governo. Pelo contrário, elevar mais os juros seria aumentar o problema, pelo lado do gasto financeiro extra. Além disso, há uma inflação de custos, que parece não ser percebida pela autoridade monetária, e que se acentua com os juros elevados. Em boa hora o BACEN resolveu pisar no freio da alta da Selic.

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…